Teresina terá eleição para vereador mais disputada do Piauí

Teresina terá eleição para vereador mais disputada do Piauí

Em Teresina a concorrência é de 20,5 candidatos por vaga.

Teresina tem a vaga de vereador mais concorrida do Piauí. São 595 candidatos para 29 vagas com média de 20,5 candidatos por vaga ? um número alto, mas ainda bem abaixo da maior média nacional, da cidade do Rio de Janeiro, com 33,6 candidatos por vaga para a Câmara.

O aumento no número de vagas de vereadores na capital ? as cadeiras passaram de 21 para 29 ? provocou um verdadeiro ?boom? no número de candidatos para este pleito proporcional em Teresina. Na eleição de 2008, apenas 291 nomes se inscreveram para disputar o cargo de vereador, nesta eleição o número dobrou chegando a 595.

Naquela época a concorrência foi de 13,8 candidato por vaga ? 2,4 vezes menos que os atuais 33,6.

Em Parnaíba, segunda maior cidade do Piauí, a disputa é um pouco mais amena com 14,8 candidatos por vaga, sendo 252 candidatos inscritos para 17 vagas na Câmara. Em Picos, o cenário é bem menos concorrido, são apenas 139 candidatos inscritos para 15 vagas ? uma média de 9,2. Em Piripiri, a concorrência é ainda menor, são 5,5 candidatos por vaga com 78 candidatos inscritos para as 14 cadeiras na Câmara.

Em geral, o número de candidatos a vereador subiu no Piauí. No pleito de 2008, um montante de 7394 candidatos se inscreveu para a disputa, neste ano o número chega a 9368 candidatos a vereador em todo Estado.

Nesse pleito, o Piauí teve um acréscimo de 113 vagas de vereadores em 35 cidades. O aumento de vagas é resultado da aprovação, em 2009, da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 58, que estabeleceu uma nova relação entre o número de habitantes e a quantidade de vereadores, alterando o artigo 29 da Constituição Federal. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), 2.153 Câmaras ganharam, com isso, o direito de ampliar suas cadeiras em todo o País.

Em Alagoinha, 11 candidatos disputam 9 vagas na Câmara

A antítese da eleição para vereador em Teresina acontece no município de Alagoinha do Piauí, onde a Câmara possui nove vagas e apenas 11 candidatos estão aptos para a disputa - colocando a concorrência no município em 1,2 candidato por vaga para a Câmara. Na capital, a concorrência é de 20,5.

No início da eleição em Alagoinha do Piauí, 14 nomes se inscreveram para disputar as vagas de vereador, mas dois desistiram: Francinete Maria de Lima Carvalho e Maria de Lourdes da Silva. Um candidato ainda teve o registro indeferido, José Augusto de Sá.

Em São José do Divino, onde a Câmara também possui nove vagas, foram inscritos apenas 13 candidatos ? colocando a concorrência no município em 1,4 candidato por vaga. No início da eleição, 15 nomes se inscreveram para disputar, mas dois desistiram: Antônio Filho da Silva, o Bolão e Francisco das Chagas Sampaio Souza, conhecido como Chagas do Euzébio. Os 13 candidatos pertencem a mesma coligação ?A Vontade do Povo?, que tem o único candidato a prefeito de São José do Divino, o pecuarista Zé Sena, do PTB.

Em Curral Novo do Piauí, a situação também é de pouca concorrência para a Câmara e apenas um candidato a prefeito. Apenas 13 nomes vão disputar as nove vagas na Câmara. O número poderia ser maior se não fosse o indeferimento da candidatura de Francisco de Assis da Silva, o Tiquim. O município tem candidato único a prefeito: Leônidas Lopes Lima, do PP.

Teresina deve registrar quociente eleitoral entre 14 e 15 mil votos

A eleição para o cargo de vereador segue procedimento distinto da disputa para prefeito, governador, presidente ou senador. O sistema utilizado entre os 449 mil candidatos a uma vaga no Legislativo é o proporcional, onde a quantidade de votos nem sempre elege um candidato. O que determina o preenchimento das vagas é a votação obtida pelo partido ou coligação.

Votar para vereador significa: escolher o próprio candidato ou votar na legenda. No final da eleição, todos esses votos serão somados para o partido. Se mais de um partido se une, formando uma coligação, esta também concentra os votos válidos, como se fosse um partido só.

O que define quais partidos ou coligações têm direito de ocupar as vagas em disputa é o quociente eleitoral. Esse número é obtido pela divisão do total de votos válidos apurados pelo número de vagas a serem preenchidas. Se o número não for inteiro, fica desprezada a fração igual ou menor do que meio. Se for superior, é equivalente a mais um.

Em seguida, é feito o cálculo do quociente partidário. Os votos válidos recebidos pelos partidos da coligação (nominais ou de legenda) são divididos pelo quociente eleitoral, resultando no número de cadeiras que a coligação pode ocupar. Os melhores colocados de cada partido ou coligação preenchem as vagas. A expectativa dos que fazem a eleição em Teresina é que o quociente na capital fique entre 14 e 15 mil votos. A variação é explicada pela instabilidade do número de votos válidos, podendo existir variação de acordo com os votos brancos e nulos.

Fonte: Ananias Ribeiro