Themístocles Filho faz balanço e rechaça queda no Orçamento do PI

Municípios podem colocar no PPA as suas principais reinvidicações

As atividades no Poder Legislativo terão uma pausa após a sessão ordinária de hoje e só retornarão no próximo dia 3 de agosto, quando as proposições voltarão a tramitar normalmente nas Comissões Técnicas até terem sua apreciação concluída no Plenário da Casa.

Quanto as matérias demandadas no primeiro semestre do ano, o presidente da Casa, Themístocles Filho (PMDB), fez um balanço e destacou que não acredita que o orçamento estadual irá encolher no ano, indicando para a possibilidade de recuperação nos últimos meses de 2015. "Não acredito que o país não vá crescer, que o Piauí também não vá crescer, pode ser pequeno, mas haverá crescimento", impôs.

Os números do primeiro semestre na Assembleia serão divulgados durante o Expediente e detalharão os trabalhos realizados por cada parlamentar, ressaltando as experiências e discussões demandadas na prática corriqueira.

"Vamos mostrar o que foi proposto e aprovado pelos deputados e também pelos outros poderes, pelo Executivo, Judiciário, Tribunal de Contas e Ministério Público", comentou.

Dentre as matérias relatadas que mais exigiram a dedicação dos entes no período destacam-se o projeto de Reforma Administrativa e a Lei de Diretrizes Orçamentárias, esta última concluída pelo Poder nos últimos dias.

PLANO PLURIANUAL - Quanto aos debates envolvendo o Plano Plurianual, que será encaminhado pelo Executivo até o final do ano, o presidente da Casa ressaltou a elaboração democrática da proposição, sinalizando para a participação das regionais na consecução de políticas que contemplem as necessidades da população. Na última quarta-feira (15), por exemplo, foi a vez do município de Uruçuí centralizar as discussões.

"Os municípios podem colocar no PPA as suas principais reinvidicações, como nos Cerrados piauienses, onde o maior desejo é a conclusão da Transcerrados, para escoamento da produção de grãos. Pode até demorar, mas essas propostas sairão do papel", concluiu.

Fonte: Francy Teixeira