Tire duvidas! Veja várias perguntas e respostas sobre mensalão no país

Tire duvidas! Veja várias perguntas e respostas sobre mensalão no país

Tire suas duvidas veja perguntas e respostas sobre as principais controvérsias do mensalão

Veja perguntas e respostas sobre as principais controvérsias do mensalão

1 - Foi o maior escândalo político da história do país?

Não, se considerarmos só o total das somas envolvidas. O escândalo recente dos fiscais da Prefeitura de São Paulo trouxe prejuízos calculados em R$ 500 milhões aos cofres públicos, o do metrô de São Paulo ainda nem se sabe as cifras totais pode chegar a milhares de milhões .

O dinheiro tranferido para agências entre as quais a de Marcos Valerio foi de R$78 milhões e foi a unica fonte do mensalão, quem era diretor de propaganda do BB era Henrique Pizzolato , condenado a 12 anos , que tranferiu para o Fundo Visanet , que se discute muito se é privado ou publico ,que tem entre seus clientes o BB mas tem também o Bradesco , Itaú, Santander etc.

Por outro lado :

Sim, se considerarmos que envolveu, num mesmo esquema, o primeiro escalão de três partidos (PT, PL e PTB), além de membros do PMDB, o presidente da Câmara dos Deputados, três ministros, entre os quais o homem forte do governo Lula, banqueiros e parlamentares

2- O mensalão existiu? Não era só campanha?

No começo, negou-se até a existência de saques em dinheiro. Houve quem dissesse ter ido ao banco só para pagar TV a cabo. Descoberta a mentira, veio a tese de que o dinheiro não visava comprar deputados: distribuíram-se só recursos não-declarados de campanha para parlamentares, que em seguida os repassaram a diretórios.

Pela lei, não importa o destino dado ao dinheiro "extra". Pode ser para comprar objetos de luxo ou... para comprar deputados e garantir votos, comprar cabos eleitorais e créditos na compra de material publicitário para a próxima eleição.o que se comprovou mesmo foi que era compra de deputados em parcelas mensais e compra de estrutura de campanha.

3- Qual é a lógica de comprar votos de deputados da própria base?

Argumentou-se que não havia corrupção porque o apoio de deputados petistas e de partidos aliados já estava garantido, mesmo antes de votações polêmicas no Congresso, como a da reforma previdenciária.

Dizer isso é ignorar as célebres "rebeliões" de deputados às vésperas de qualquer votação. Tanto mais no caso da reforma da Previdência proposta por Lula, que negava compromissos do partido, e motivou a saída, por exemplo, de Heloísa Helena e outros do PT.

4- Os envolvidos no esquema formaram uma quadrilha?

Sim, se se considera que estiveram associados durante muito tempo para manter em funcionamento o esquema. Não, se se considera que uma coisa é participar em conjunto de uma série de crimes, outra é cometer um crime particular, específico, o da "formação de quadrilha".

5- O mensalão representou uma ameaça à democracia?

Na medida em que pressupunha pagamento direto a deputados, dissolvia as próprias instâncias internas dos partidos. Dinheiro público foi usado para ajudar as contas do partido no poder.

Mas quando se sabe que parlamentares podiam ser eleitos por um partido e em seguida aderir ao partido do governo, é difícil considerar a compra de votos, em dinheiro vivo, pior que a compra de um deputado por inteiro, em troca de cargos ainda mais lucrativos.

O sistema do mensalão terá parecido, talvez, mais econômico para o governo do que a negociação de emendas no Orçamento para aliados.

6- Houve mais rigor neste caso do que em outros escândalos?

Sim.

Notícias gravíssimas foram veiculadas contra FHC, por exemplo. A confissão de dois deputados, segundo a qual receberam dinheiro para votar a emenda da reeleição, foi noticiada pela Folha; a denúncia não foi levada adiante pelas autoridades, que impediram uma CPI.

Também por falha nas acusações do Ministério Público, as acusações contra o presidente Fernando Collor --que lhe custaram o mandato-- não foram aceitas pelo STF.

7- O STF decidiu pressionado pela mídia?

Se fosse assim, a maioria não teria votado pela aceitação dos embargos infringentes. Petistas como Luiz Gushiken, professor Luizinho, Paulo Rocha, e o ex-ministro Anderson Adauto (PMDB) estariam condenados. As penas contra os banqueiros não teriam sido as mais altas.

A opinião pública, de modo geral, lamentou a condenação de Genoino; mesmo no STF houve quem afirmasse estar tendo de condená-lo contra a vontade.

Se a vontade de "sair-se bem" tornava-se visível nos pronunciamentos de alguns ministros, cabe lembrar que o autor dos mais furiosos discursos contra os mensaleiros, Gilmar Mendes, é o mesmo que suscitou ira popular ao conceder liberdade para Daniel Dantas, em 2008.

8 - As penas impostas pelo STF foram desproporcionais ou exageradas?

Pelo menos num caso, o de Jacinto Lamas, sim: ele terminou sendo condenado de forma mais severa do que o seu superior no PL, Valdemar Costa Neto, por um número praticamente igual de crimes de lavagem de dinheiro.

O cálculo das penas foi muito confuso, pois às vezes prevaleciam os critérios mais brandos de Ricardo Lewandowski, outras vezes os de Joaquim Barbosa.

9- José Dirceu foi condenado sem provas?

Não há gravação ou e-mail mostrando claramente que Dirceu dava ordens a cada reunião em que Delúbio Soares, dirigentes partidários e Marcos Valério faziam acertos sobre pagamentos.

Houve testemunho, de Roberto Jefferson ( sic) que não foi preso esse fim de semana , de que ele era consultado pelo celular e dava seu "ok" porem nunca mostrou uma prova uma gravacão telefônica, um papel assinado de contratos etc , nada. A defesa colheu testemunhos em contrário, junto a dirigentes regionais e pessoas ligadas a politica , segundo os quais Dirceu não participava dos assuntos financeiros.

Mas isso não desmente a acusação de que ele chefiava politicamente o esquema, nem explica sua participação em encontro com Valério e dirigentes do Banco Rural.

10- O julgamento foi uma vitória contra a corrupção?

O problema é saber se, com as condenações obtidas, algum político vai pensar em modificar seus comportamentos nessa área. Provavelmente não.

Mesmo quem não pretende enriquecer pessoalmente com suas atividades no Executivo ou no Parlamento --e certamente José Genoino sempre se pautou por uma vida simples, por exemplo --depende de campanhas cada vez mais caras para se eleger.

Fonte: ;o