Tiririca é o preferido para máscaras do Carnaval 2011

Empresária Olga Gibert posa para foto ao lado das máscaras de Tiririca, Dilma e Lula

O palhaço Tiririca, eleito deputado federal nas eleições de 2010, conseguiu superar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como principal rosto das máscaras que serão usadas no Carnaval do Rio de Janeiro. A imagem de Tiririca disputará preferência com a da presidente Dilma Rousseff e a do jogador Ronaldinho Gaúcho.

A produção das máscaras, que inclui personagens internacionais como o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, e o presidente venezuelano, Hugo Chávez, é feita pela fábrica Condal, fundada há 53 anos na região metropolitana do Rio de Janeiro pelo espanhol Armando Vallés, e que agora é dirigida por sua esposa, Olga Gibert.

Esta catalã estabelecida no Rio de Janeiro atribui o sucesso do rosto de Tiririca à sua "mistura explosiva", que combina humor com política e que o transforma em figura ideal para o Carnaval, que começa oficialmente no dia 4 de março.

Com uma jornada de trabalho de 18 horas diárias, Olga dirige uma empresa que, nesta época do ano, duplica seu número de funcionários para atender aos pedidos dos clientes. Em um escritório cheio de máscaras penduradas na parede, se destacam as imagens de personagens populares como a de Dilma e Lula.

Com seis mil réplicas de seu rosto, Dilma não conseguiu superar a popularidade de Lula, cuja imagem foi reproduzida em 20 mil máscaras durante seu período como presidente. Apesar de ter deixado a Presidência, o rosto do ex-governante continua entre os favoritos, e as máscaras são as únicas de um político brasileiro vendidas para fora do Brasil, para serem usadas em outros carnavais.

Os escândalos amorosos do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, também foram a desculpa perfeita para que a empresa Condal recebesse pedidos de reprodução de sua imagem, que provavelmente será usada nas ruas do Rio de Janeiro. A réplica de Berlusconi é obra do artista plástico espanhol Sergi Arbusà, que diz que o processo de fabricação de uma máscara pode levar uma semana.

A máscara de Ronaldinho Gaúcho não poderá ser comercializada devido aos direitos de imagem do jogador. Para a festa organizada em sua estreia com a camisa do Flamengo, o clube encomendou quatro mil máscaras, que foram distribuídas entre os torcedores. Ronaldinho Gaúcho ficou tão entusiasmado com sua imagem que encomendou 250 máscaras para serem usadas por seus amigos no Carnaval.









Fonte: Terra, www.terra.com.br