TSE nega pedido de tropas federais durante as eleições no Piauí

TSE nega pedido de tropas federais durante as eleições no Piauí

Para o promotor Paulo Rubens, só a presença física das tropas já seria um reforço à segurança

O Ministério Público está preocupado com as eleições. 143 municípios do Piauí solicitaram a presença de tropas federais durante o pleito, como um reforço à segurança. Mas o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) negou o pedido. O promotor Paulo Rubens veio hoje ao programa Agora, da Rede Meio Norte, para falar sobre o caso.

Setenta ônibus sairão de Teresina amanhã, levando 310 oficiais e 2025 policiais para garantir a segurança nas 88 zonas eleitorais pelo interior Piauí. Em cada uma delas, haverá um juiz, um promotor, um oficial superior (major ou tenente-coronel) número variável de soldados. De acordo com o coronel Jaime Oliveira, da Polícia Militar, que comanda a operação, esse é o maior esquema de segurança em décadas. ?Desde 1977, quando ingressei na Polícia Militar, esta é a maior operação que fizemos?, disse.


TRE nega pedido de tropas federais durante o pleito

O coronel Jaime Oliveira, da Polícia Militar (Foto: Reprodução)

O promotor Paulo Rubens, entretanto, teme que o efetivo da polícia não seja suficiente. ?Em eleições municipais, o clima costuma ficar mais hostil?, argumentou, dizendo que os crimes, nesse período, não se restringem às zonas eleitorais. ?Eu confio no trabalho da polícia, no coronel Jaime. Mas nos preocupamos se a PM será capaz de atender toda a demanda, já que dispõe de um efetivo reduzido?, disse o promotor.

Para ele, ?Só a presença física das tropas federais já garantiria uma melhora na segurança?, disse Paulo Rubens. O promotor falou que o policiamento no dia do pleito será feito com planejamento, e que agora é torcer para que o esquema preparado pela PM seja eficaz, tanto para o dia da votação, como para dias anteriores e comemorações, que em certas cidades do interior, onde as rivalidades políticas são mais acirradas, costumam ser bem perigosas. ?Vamos torcer, mas com preocupação?, afirmou o promotor Paulo Rubens.

Fonte: Andrê Nascimento