Tucano pede à PF que apure ataque a Aécio via Twitter

Líder do PSDB na Câmara , Duarte Nogueira (SP), pediu à PF investigacao sobre ataques no Twitter

A iniciativa do líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Duarte Nogueira (SP), de pedir à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal uma investigação sobre os ataques feitos ao senador tucano Aécio Neves (MG) no Twitter oficial da TV Brasil desagradou o PSDB mineiro.

Os mesmos tucanos que na véspera haviam protestado contra a mensagem postada pela TV oficial, chamando Aécio Neves de "mentiroso", acham agora que a melhor conduta é aguardar o resultado da sindicância interna anunciada pela emissora, antes de envolver a PF no caso.

"Aécio Neves mentiu ao País. Sua habilitação para dirigir foi renovada em 31/5/2010", dizia o post no Twitter da TV Brasil.

Assim que tomou conhecimento do episódio, a diretora-presidente da Empresa Brasileira de Comunicação, Tereza Cruvinel, tomou a iniciativa de telefonar ao senador para pedir desculpa e anunciou a abertura de investigação interna para apurar o que aconteceu no caso.

"Dou todo crédito à Tereza Cruvinel e não acredito que isso partiria dela pela relação antiga, de respeito e amizade, que tem com Aécio", afirma o presidente do PSDB mineiro, deputado Marcus Pestana. Pestana destaca que Duarte Nogueira "tem a melhor das intenções", até porque a preocupação do partido é o uso indevido do aparelho de Estado e, a seu ver, o episódio envolvendo Aécio é grave. Mas insiste que é preciso esperar para ver se o episódio foi fruto da ação de um hacker ou de um funcionário da empresa, hipótese esta já cogitada pela diretora que prometeu punir o eventual responsável.

O senador Aécio Neves, um dos nomes mais fortes do PSDB para disputar a Presidência em 2014, foi flagrado pela polícia, no Rio, com a carteira de habilitação vencida e se recusou a fazer o teste do bafômetro em uma blitz da Lei Seca. Segundo o Detran-MG, a carteira de habilitação do senador venceu em 15 de fevereiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

...

Fonte: AE/G1