Piauí terá R$ 1,2 bilhão da Vale

Ele explica que a companhia brasileira havia adiado o projeto de investir na exploração de níquel no Estado

Os investimentos da Vale do Rio Doce continuarão no Piauí em 2010. A informação é do governador Wellington Dias. Ele explica que a companhia brasileira havia adiado o projeto de investir na exploração de níquel no Estado devido aos efeitos negativos da crise econômica mundial, mas retomará as atividades em solo piauiense focando, principalmente, no município de capitão Gervásio.

"A Vale já investiu R$ 80 milhões no Piauí na parte de pesquisas e a meta até 2012 é fazer a adultora e consolidar a base industrial", ressalta, pontuando que o investimento total no Piauí chegará a R$ 1 bilhão e 200 milhões. Dias adianta que a empresa também está fazendo pesquisas no Estado em busca de fósforo e calcário.

O governador também falou sobre as cinco hidroelétricas que prometeu construir no Estado e foram motivo de críticas à sua administração. Ele argumenta que as críticas foram "com razão", mas explica que o Estado fez sua parte. "As hidroelétricas atrasaram por causa das eclusas que fiz questão de colocar. O valor adicional delas é de R$ 400 milhões e muitos Estados abriram mão e hoje estão arrependidos. O Governo fez sua parte em relação à regularização das terras e aos incentivos".

Para ele, as hidroelétricas poderão contribuir na diminuição dos efeitos das enchentes no Estado. "Devido à um problema com o Ibama o leilão das hidroelétricas foi adiado do dia 17 de dezembro para janeiro", diz. Dias adianta que um grupo estrangeiro está interessado em aplicar cerca de R$ 800 milhões na construção de uma usina eólica no porte de Boa Esperança na região do litoral piauiense.

Wellington Dias esclareceu os motivos de sua ausência de 20 dias no Palácio do Karnak. O chefe do executivo estadual irá visitar países europeus em busca de investimentos para o Piauí. "Na Inglaterra e na Alemanha iremos atrás de recursos para projetos em mineração e agronegócio e na Grécia focaremos no turismo, inclusive há um projeto de resort no litoral do Piauí que poderá ser concretizado".

Dias: base aliada vai vencer no 1º turno

Convencido da união da base aliada e confirmando que sairá como candidato a senador em 2010, caso os 12 partidos do bloco governista permaneçam juntos, o governador Wellington Dias também respondeu as críticas da oposição na tarde de ontem, durante o programa Agora, da TV Meio-Norte.

Segundo Dias, a reunião realizada em sua residência na semana passada não foi motivada pelo crescimento do prefeito de Teresina, Sílvio Mendes (PSDB), nas pesquisas de intenção de voto divulgadas recentemente. "A oposição deve cuidar da oposição e nós cuidamos da base. Concluímos a primeira etapa do calendário eleitoral que já previa essa reunião", disse, acrescentando que acredita na possibilidade de vitória ainda no primeiro turno.

"Não posso negar um esforço nessa direção, de ir para o Senado federal. Todos os partidos que compõem o bloco destacaram que seria importante para o Piauí que eu fosse candidato. Se até o dia 2 de abril eu me afastar é porque houve um entendimento dos demais pré-candidatos em apoiarem de fato o que for escolhido para representar o projeto", afirmou.

O governador confessou que há um interesse natural em passar o bastão de chefe do executivo estadual para um candidato do Partido dos Trabalhadores, porém, não haverá privilégios para um petista. "O Antônio José precisa viabilizar sua candidatura assim como os demais pré-candidatos. Depende em primeiro lugar da vontade do povo e em segundo lugar de reunir o apoio das lideranças políticas?, justificou.

Se depender da análise de Dias, que é o principal condutor do processo político na base aliada para as eleições do próximo ano, a oposição, que atualmente conta com o PSDB e o Democratas, terá que se contentar com os atuais nomes que compõem seus quadros para montarem uma chapa opositora. "Após a reunião estou convencido que a base vai se manter unida. Acredito nisso. Em 2006 tivemos uma discussão parecida, a dúvida era se o Alberto Silva saia como senador ou continuaria na base e no final deu tudo certo".

Em relação à possível candidatura de Sílvio Mendes como nome que encabeçará a oposição, Wellington Dias pontua que, para Mendes, vai ser difícil voltar atrás, já que ele "chegou a um ponto em que largar não é fácil".

O governador destacou ainda que o presidente Lula pode vir ao Piauí em dezembro ou janeiro para inaugurar projetos na área da educação. "Quero levá-lo em Guaribas para dar a aula inaugural da Universidade Aberta naquele município", conta.

Fonte: Sávia Barreto, Jornal Meio Norte