Manicure que foi eleita vereadora com um voto assume o cargo

Manicure que foi eleita vereadora com um voto assume o cargo

Outros suplentes não puderam assumir por causa da infidelidade partidária

A manicure Sirlei Brisida, de 44 anos, tomou posse como vereadora da cidade de Medianeira, no Paraná, na manhã desta quarta-feira (6). Ela foi eleita com apenas um voto nas eleições de 2008. "É uma emoção muito grande. Nunca imaginei estar passando por isso. Estou com medo de tudo isso que está acontecendo. Mas sei que vou contar com o apoio dos outros vereadores", comentou.

Sirlei é filiada ao PPS e era suplente do vereador Edir Josmar Moreira (PSDB), conhecido na cidade como Nenê. Ele teve o mandato cassado por infidelidade partidária, pois foi eleito pelo PPS e decidiu mudar de partido. Ivonei José Paludo (430 Votos), Abrão de Freitas (357 Votos), Ildo Conrath (341 Votos), Douglas de Almeida (270 Votos), Kleber Gonçalves (180 Votos), Jurema Ferreira França (155 Votos), João Wilmar Hitlesheinn (90 Votos) também mudaram de partido e perderam a chance de assumir.

Na cerimônia que durou pouco mais de 15 minutos, Sirlei fez um juramento e assinou um termo de compromisso com a população. De acordo com o presidente da Câmara de Vereadores de Medianeira, Jean Bogoni, a primeira sessão que Brisida vai participar será na segunda-feira (11). "A partir de agora ela já faz parte da Câmara. Segunda-feira vai votar como os outros", explicou.

Emocionada, a nova vereadora disse que será "um desafio essa nova etapa da vida", mas vai trabalhar para contribuir com a cidade. "Quero investir, principalmente, na área da saúde", conta. Ela diz estar recebendo apoio da família e de amigos. "Só minhas clientes que falam: "perdi minha manicure"", brinca. Brisida também se mostrou precoupada com o discurso da próxima segunda-feira. "Não sei o que vai acontecer".

"Não sei quem foi"

Sirlei Brisisa afirmou ser separada e ter dois filhos maiores de idade. Apesar disso, ela garantiu que ninguém da família votou nela. "Não sei quem votou em mim, só sei que o voto não foi meu. O dia que me avisaram que eu assumiria eu não vou esquecer tão fácil. Não sabia se corria, se gritava. Foi uma surpresa muito grande, mas fiquei feliz".

Brisida filiou-se ao PPS a pedido de um vizinho, que na época era presidente do partido, decidiu se candidatar como vereadora do município. ?Eu sempre gostei de política. Desde 1996 eu já fazia campanhas, participava de comícios. Gostava de estar envolvida?. Contudo, devido a um problema de saúde, resolveu não fazer campanha, pois achava que não iria se eleger. ?Me candidatei, mas nunca procurei saber de nada?. Como vereadora ela vai receber um salário bruto de R$ 3.700 com os benefícios. A renda mensal atual não passa de um salário mínimo.

Fonte: G1