Vídeo mostra pivô do mensalão do DEM dando dinheiro a deputada

Vídeo mostra pivô do mensalão do DEM dando dinheiro a deputada

Marido de Jaqueline Roriz pega maço de notas e coloca em mochila.

Um vídeo divulgado nesta sexta (4) pelo site do jornal "O Estado de S. Paulo" mostra a deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF) e o marido dela, Manoel Neto, recebendo R$ 50 mil das mãos de Durval Barbosa, pivô do escândalo do chamado "mensalão do DEM" do Distrito Federal.

O vídeo não tem indicação de data, mas, segundo o site do jornal, foi gravado durante a campanha eleitoral de 2006, na sala de Barbosa, delator do esquema. Na ocasião, ele era secretário de Relações Institucionais do governo de Joaquim Roriz, pai da deputada.

No vídeo, Durval coloca sobre a mesa um maço de notas. Jaqueline, então deputada distrital, olha para o dinheiro, mas é o marido dela quem pega o pacote e coloca dentro de uma mochila. Na conversa, de acordo com o jornal, o casal reclama do valor recebido. "Rapaz, não é fácil ser candidato. Resolve isso para mim cara!", apela Neto.

A assessoria da deputada não deu resposta às solicitações de entrevista. O assessor da família Roriz, Paulo Fona, disse que ela não assistiu ao vídeo, que está viajando e só se manifestará depois do carnaval. ?Ela não viu o vídeo e, se ela falar, vai ser depois do carnaval e depois de ver o vídeo. Vale ressaltar que quem recebe o dinheiro é o marido dela e não ela?, disse Fona.

O inquérito sobre mensalão do DEM tramita sob sigilo no Superior Tribunal de Justiça desde novembro de 2009 e não envolve a deputada Jaqueline Roriz. Segundo a assessoria da Polícia Federal, o vídeo revelado nesta sexta não faz parte do conjunto de provas até então reunidas no inquérito.

Como deputada federal, Jaqueline tem prerrogativa de foro e só pode ser investigada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Cabe à Procuradoria Geral da República (PGR) decidir se solicita a abertura de inquérito ou envia o material ao STJ para ser juntado ao inquérito do mensalão do DEM. Na hipótese de passar a incluir a deputada, o inquérito pode ser todo transferido para o Supremo.

Jaqueline Roriz sempre negou envolvimento dela e do pai no esquema. Em discurso, em abril passado, chamou de "cara de pau" a deputada Eurides Brito, flagrada na mesma sala em que o marido de Jaqueline também aparece pegando o dinheiro. Eurides Brito foi cassada no ano passado pela Câmara Legislativa do Distrito Federal depois que um vídeo gravado por Barbosa mostrou a então deputada colocando dinheiro na bolsa. O advogado de Eurides Brito, Jackson Domênico, disse que ela não tem interesse em se manifestar sobre o assunto.

A investigação

Segundo a Polícia Federal, o mensalão do DEM foi um esquema de corrupção que envolveu pagamento de propina a deputados da base aliada, empresários e integrantes do governo do Distrito Federal. O suposto esquema foi desvendado após a deflagração pela PF, em novembro de 2009, da operação Caixa de Pandora.

A investigação levou à prisão e à cassação, no ano passado, do então governador José Roberto Arruda (atualmente sem partido; na época no DEM). O vice de Arruda, Paulo Octávio (sem partido, ex-DEM), assumiu o governo depois que Arruda pediu afastamento, mas renunciou para defender-se das acusações. Ambos sempre negaram envolvimento com o suposto esquema.

No ano passado, por conta da crise política, o Distrito Federal esteve ameaçado durante meses de intervenção federal.

Após a renúncia de Paulo Octávio, em fevereiro de 2010, o então presidente da Câmara Distrital, Wilson Lima (PR), assumiu o governo.

Lima deixou o cargo depois que a Câmara elegeu para governador o então deputado distrital Rogério Rosso (PMDB). Ele concluiu o mandato iniciado por Arruda e permaneceu até a eleição de outubro, cujo ganhador foi Agnelo Queiroz (PT), atual governador.

Fonte: g1, www.g1.com.br