Wellington avaliza nome de Marcelo Castro para Ministério da Saúde

Governador defendeu ontem que a presidente Dilma aceite a indicação

O governador Wellington Dias esteve ontem em Brasília e manifestou à presidente Dilma Rousseff a importância de um entendimento com as lideranças políticas nacionais para organizar uma nova maioria em defesa dos interesses prioritários do Brasil. Wellington se refere ao reordenamento da base aliada governista a fim de garantir o apoio político necessário para a recuperação econômica do País. Hoje a presidente deverá definir sua reforma ministerial e o deputado federal Marcelo Castro é um dos três indicados pela bancada peemedebista para assumir o Ministério da Saúde. Marcelo recebeu o apoio de Wellington.

“Nas alternativas apresentadas pelo PMDB para o Ministério da Saúde, tendo a presidente que tomar uma decisão que sei não ser fácil, destaquei o deputado Marcelo Castro, pela competência técnica e capacidade de articulação. Defendi como a melhor opção, sabendo da qualidade de outros indicados, na minha visão e outras lideranças, especialmente do Nordeste”, afirmou Wellington.

ENCONTRO NA CAIXA - Uma união de regiões por uma visão de desenvolvimento estratégica. Assim foi definida pelo governador do Acre, Tião Viana, a proposta apresentada por ele e pelo governador Wellington Dias, em Brasília, ontem, ao vice-presidente Corporativo da Caixa Econômica Federal, Antonio Carlos Ferreira.

A ideia é ampliar o FIP Estado Empreendedor e Sustentável, que já tem aporte financeiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), incluindo o Piauí e replicável para outros estados, com uma captação de R$ 200 milhões. Os estados já garantiram investir R$ 20 milhões cada um e estão buscando parcerias com os Fundos de pensão regionais e, agora, com a Caixa Econômica, como administrador e custodiante.

No Acre, este Fundo já está viabilizando investimentos na área de produção de alimentos, com a criação de aves, suínos, pescados, plantio de frutas tropicais e produção de madeira, num modelo de cooperativismo onde o pequeno tem o apoio de uma empresa âncora, que dá assistência e garante condições de produção segura com tecnologia.

“Ele ganha não só com o produto mas como parte também da agregação de valor, fazendo a economia crescer”, observa Wellington.

Para ele, sem dúvida a Presença da Caixa Econômica possibilita multiplicar os investimentos e acelerar o desenvolvimento dos estados. “É um momento histórico. A Caixa está buscando alternativas para que as pessoas de baixa renda não apenas saiam da miséria, mas também da pobreza e ascendam para a classe média”, observou o governador, destacando que o projeto na área de piscicultura já está em fase de implantação no Piauí.

Fonte: Francy Teixeira