Wilson Martins propõe interligação de bacias com o São Francisco

Wilson Martins propõe interligação de bacias com o São Francisco

A ideia, antiga reivindicação da região, foi defendida pelo governador junto à presidente Dilma Rousseff, na reunião da Sudene

A proposta do governador Wilson Martins, de interligar o rio São Francisco às bacias que cortam o semiárido piauiense será um dos principais pontos do lançamento do Programa Nacional de Irrigação, que acontece nesta terça-feira, em Brasília. A ideia, antiga reivindicação da região, foi defendida pelo governador junto à presidente Dilma Rousseff, na reunião da Sudene, sexta-feira, em Salvador.

?Há uma crescente receptividade à proposta, que não gera problemas para o São Francisco e traz soluções importantes para o acesso à água no semiárido piauiense?, destacou Wilson. O governador lembrou que já há diversos estudos técnicos mostrando a plena viabilidade desse projeto.

A interligação seria a partir do Lago de Sobradinho, na Bahia, cortando a Serra de Dois Irmãos até o Açude Petrônio Portela, em São Raimundo Nonato. Do Petrônio Portela, a água seguiria por gravidade para vários reservatórios localizados em municípios do semiárido piauiense, como Bocaina, em Bocaina; Pedra Redonda, em Conceição do Canindé; Jenipapo, em São João do Piauí; e Piaus, em Patos.

?Com isso, poderíamos perenizar diversos rios da região, assegurando o abastecimento humano e animal, além de criar as condições para a irrigação e a piscicultura. Esta é uma solução que permitirá uma enorme transformação social e econômica no Sudeste piauiense?, observou Wilson Martins.

O governador disse que ficou contente com a receptividade à ideia, e que vai reforçar a reivindicação nesta terça- feira, em Brasília, quando a convite da presidente Dilma Rousseff, participa do lançamento do Programa Nacional de Irrigação. ?Também nesta área, o Piauí é uma terra de oportunidades. Temos terras férteis. O que está faltando é água naquela região?, ressaltou, lembrando que as margens de rios como Itaim, Canindé e Piauí, poderão se transformar em grandes projetos de irrigação, como ocorre hoje em Petrolina.

Fonte: Ananias Ribeiro