ZPE do Piauí tem tudo para ser primeira do NE, diz secretário

Para Wilson Martins, a implantação da ZPE é uma prioridade para o Governo do Estado.

O governador Wilson Martins (PSB) recebeu ontem para tratar sobre a instalação da Zona de Processamento de Exportação (ZPE) o Secretário Executivo do Conselho Nacional, Gustavo Sabóia. Também estavam presentes o coordenador da ZPE no Piauí, Mirócles Veras, e o secretário de Governo, Wilson Brandão.

“Após algumas conversas com o governador e os responsáveis pela implantação da zona no Estado, pude perceber que o processo está bem organizado, tudo dentro da lei. Todos estão bastante empenhados, o governador Wilson Martins demonstra bastante interesse e empenho na execução do projeto. Acredito que a ZPE do Piauí tem tudo para ser a primeira do Nordeste”, comentou o secretario, ao falar do grande potencial que o Estado apresenta para desenvolvimento.

O coordenador da ZPE no Piauí, Mirócles Veras, ressalta que as obras da Zona de Processamento de Exportação já foram iniciadas, e a primeira etapa do projeto deve ser concluído em julho deste ano.

“A ideia é que sejam realizadas outras atividades no decorrer das obras, como implantação das empresas, qualificação de pessoal, estruturação da companhia e a atração de novos negócios para a zona”, explica.

Para o governador, a implantação da ZPE é uma prioridade para o Governo do Estado, que está custeando a execução dessa primeira etapa, enquanto o investimento do governo federal não é liberado.

“A construção da zona será feita com muito sacrifício, pois requer muitas despesas. Porém, o Piauí necessita de grandes obras, principalmente, porque a cidade de Parnaíba possui um grande potencial exportador e a chance de revitalizarmos essa vocação é agora”, argumenta Wilson Martins.

O secretário Gustavo Sabóia, foi a Parnaíba visitar a área onde será construída a Zona de Processo de Exportação do Piauí. Na oportunidade, também conheceu alguns dos potenciais econômicos da região, a exemplo dos Tabuleiros Litorâneos e a produção de energia eólica.

Fonte: Gisele Alves