Ponte vai desafogar o trânsito na zona Sudeste de Teresina

O novo elevado será de estrutura mista, metálica com concreto armado

A licitação para a ponte da Avenida Gil Martins foi recentemente homologada pela Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos (SEMA), onde foi escolhida a empresa que ficará a cargo das obras. O projeto revela-se como essencial para a dinamização do trânsito na capital, principalmente no que tange a região Sudeste.

A ponte promoverá uma interligação com a zona Sul, de tal modo que as Avenidas Gil Martins e Francisco de Almeida Neto serão abrangidas, melhorando efetivamente o problema do tráfego nas pontes Wall Ferraz e Tancredo Neves. ?É uma via de ligação importante, vai melhorar o fluxo, aumentar as vias de acesso, é uma obra de mobilidade?, afirma o secretário de administração Charlles Max.

Os recursos angariados para a construção chegam a R$ 66,1 milhões e são oriundos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Mobilidade Urbana Grandes Cidades. ?Essa obra se tornou possível com verbas do Governo Federal, nós confeccionamos o projeto executivo e licitamos recentemente?, explica Max. Nesse sentido, a realização de um trabalho conjunto foi primordial para o cumprimento de todas as etapas necessárias.

Agora, o plano segue para outras direções, que já apontam para o início da construção. ?Nós já seguimos para o próximo passo, remetemos o processo para a SDU-Sudeste (Superintendência de Desenvolvimento Urbano), visando a assinatura do contrato através da superintendente Márcia Santos, para emitir a ordem de serviço?, revela Charlles Max. Segundo o secretário, o gerenciamento da obra ficará sob responsabilidade da SDU.

Abrangendo essa questão burocrática, se depender de Márcia Santos, não haverá grandes sobressaltos. ?Nós encaminhamos o projeto para a Caixa e depois vamos assinar. É um processo normal?, limita a superintendente. Vale lembrar que após autorizada, a empresa vencedora terá quinze meses para executar as obras.

Avenida Cajuína será ampliada

A novidade não se resume ao surgimento de um novo elevado na capital, ela se estende em diversas vertentes importantes, que somadas farão a diferença. Segundo o presidente da Central de Licitações-Obras I, Daniel Gonçalves, essa será uma das principais obras realizadas pela Prefeitura de Teresina. ?Esta grandiosa ação é de fundamental importância para melhorar a mobilidade urbana das regiões atendidas, permitindo um significativo aperfeiçoamento no trânsito da capital?, afirmou.

Assim, a Avenida Cajuína será ampliada, iniciando na rotatória da Ponte Wall Ferraz, finalizando no prolongamento da Avenida José Francisco de Almeida Neto, margeando o rio Poty, funcionando como dique de proteção para resolver problemas críticos de inundações no bairro São Raimundo.

A Avenida Cajuína, por exemplo, vai ter vias de 44,80m de largura, três faixas em duplo sentido, um calçadão de seis metros para caminhada e ciclovia. Sem contar a Avenida Gil Martins, que será ligada à nova ponte por uma via de 32 metros de largura, com três faixas de duplo sentido e ciclofaixa. ?A ponte é um novo corredor de tráfego para os motoristas, principalmente da região Sudeste?, opina a superintendente executiva da SDU-Sudeste, Márcia Santos.

O novo elevado será de estrutura mista, metálica com concreto armado. Terá aproximadamente 320 metros de comprimento, 26 metros de largura com duas pistas de rolamento, contendo três faixas, ciclovia e passagem para pedestres. Uma obra ousada para uma região que cresce constantemente. As mudanças correspondem à necessidade de mais opções, já que o número de veículos tende a aumentar em Teresina; com maior poder econômico, as pessoas os adquirem com uma frequência absurda e, assim, os congestionamentos se espalham.

Fonte: Francy Teixeira