"Embarquei no aeroporto 1 hora antes do grande desastre", diz brasileiro aliviado após voltar do Japão

"Embarquei no aeroporto 1 hora antes do grande desastre", diz brasileiro aliviado após voltar do Japão

Fabrício Feitosa soube somente no Brasil que a tragédia deixou mortos

Os brasileiros que estavam no Japão e chegaram ao Brasil na manhã deste sábado (12), no dia seguinte ao terremoto, afirmaram no desembarque internacional do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, que escaparam da tragédia, que deixou mais de 500 mortos, por questão de horas. Eles deixaram o país asiático ainda na sexta-feira (11) e fizeram conexão em cidades européias, como Frankfurt ou Munique, na Alemanha, e Londres, na Inglaterra.

?Escapei do terremoto por uma hora. Embarquei no aeroporto de Narita [perto de Tóquio] uma hora antes do desastre. Foi por Deus?, disse aliviado o engenheiro mecânico Fabrício Feitosa, de 28 anos, descendente de japoneses, após abraçar a irmã Vanessa e o cunhado David Betoni, que o aguardavam emocionados no saguão de Cumbica. Segundo o Serviço Geológico dos EUA (USGS), o abalo no Japão ocorreu às 14h46 de sexta-feira (horário local; 2h46 em Brasília).

Fabrício contou que soube do terremoto pelo piloto do avião, momentos antes de pousar na Europa. ?Ele falou que tinha ocorrido um abalo de 5 graus, mas não falou em feridos. Alguém se feriu??, questionou. ?Já são mais de 500 mortos?, respondeu Vanessa Feitosa, sua irmã, enxugando as lágrimas. ?Minha nossa. Não fazia idéia de que tinha sido um terremoto tão devastador?, comentou Fabrício, que foi ao Japão em setembro de 2010.

Sem ver o marido e a sogra desde outubro do ano passado, a secretária Juliana da Silva, de 23 anos, descendente de japoneses, levou a filha do casal, Flávia, de 2 anos, para rever Gabriel, de 26 anos. O eletricista deu um abraço emocionado na mulher e na criança após chegar do Japão. Em seguida perguntou que informações tinham do país asiático.

?As notícias não são boas?, disse Juliana. ?Há mortos??, indagou Gabriel, que soube pela internet das consequências da tragédia. ?Meu Deus, escapei por pouco então. Escapei por cinco horas.? Morador de Bauru, no interior paulista, ele afirmou que ia acompanhar o noticiário pela TV sobre a tragédia. ?Tenho conhecidos lá. Quero saber se estão bem.?

Enquanto empurravam os carrinhos com as malas, as amigas Mayra Watanabe, de 21, e Tifani Kuga, de 20 anos, procuravam pelos pais, que foram buscá-las em Guarulhos.

Após abraçá-los, eles contaram que deixaram o Japão duas horas antes do abalo mais forte, o de 8,9. ?Na quarta-feira (9) já havíamos sentido um tremo forte, que balançou o lustre da sala. E na quinta (10) haviam dado alerta para terremoto porque achavam que ocorreria naquele dia, mas aconteceu mesmo na sexta?, contou Mayra.































Fonte: g1, www.g1.com.br