Pornografia infantil são 40,5% das denúncias de crimes virtuais; saiba

Pornografia infantil são 40,5% das denúncias de crimes virtuais; saiba

Um dado preocupante mostra que 40,5% das denúncias de crimes virtuais tem relação com a pornografia infantil

As conversas de crianças e adolescentes na internet podem ser bem mais adultas do que o natural para a idade delas. Um levantamento feito pela ONG Safernet, especializada em segurança na rede, revelou que 40,5% das denúncias de crimes virtuais estão relacionadas com a pornografia infantil.

A notícia serve como um alerta aos pais. Proteger crianças e adolescentes dos abusos sexuais ficou mais difícil com a popularização da internet. As redes sociais, sites e salas de papo on-line oferecem risco constante para quem ainda está em processo de desenvolvimento da sexualidade.

Segundo a especialista em psicologia infantil, Sara Cavalcante, o processo de maturidade dos seres humanos começa a partir dos 6 anos, quando tem início o desenvolvimento da consciência social. ?Antes disso, elas não conseguem discernir o que é certo ou perigoso?, explica a psicóloga.

Dos 10 até os 13 anos, acontece o desenvolvimento da consciência moral. Nessa fase da pré-adolescência, as regras sociais já foram assimiladas.

?Mas, para que isso aconteça, a criança ou adolescente deve ter sido orientado para tomar as decisões certas?, disse Sara. Isso significa que o acompanhamento dos pais ou responsáveis vai reduzir a probabilidade de os menores se tornarem vítimas de pessoas mal-intencionadas na internet.

Uma pesquisa realizada pela polícia inglesa mostra que 48% dos casos de abuso sexual infantil tem alguma conexão com pornografia on-line. As principais vítimas são adolescentes de 15 anos, que são encorajadas a enviar fotos com nudez para estranhos ou abordadas por adultos através de redes sociais.

Fazendo-se passar por uma adolescente de 14 anos, a reportagem do Jornal Meio entrou em uma sala de bate-papo de Teresina e pôde comprovar que os jovens da capital também estão vulneráveis às abordagens de cunho sexual pela internet.

Mesmo tendo expressado claramente a idade através do nick, muitos adultos tentaram conversar sobre sexo ou incentivar a prática sexual on-line com a suposta adolescente.

Um homem de 38 anos chegou a passar o e-mail para que fosse enviada uma foto na qual a jovem estaria apenas de calcinha.

Fantasia com menores revela desvio de comportamento

O que parece apenas uma brincadeira ou algo que não passaria de conversa virtual esconde desvios de comportamento perigosos. A fantasia sexual de um adulto por adolescentes, quando aliada à curiosidade de quem está se descobrindo sexualmente e não tem maturidade suficiente, põe em risco o desenvolvimento natural e até a integridade física das vítimas.

Segundo a psicóloga Clara Noleto, o sexo naturalmente é um assunto que desperta o interesse de todas as pessoas, mas questões éticas e de valores humanos não podem ser distorcidas. ?Se o adulto tem princípios e sabe que está conversando com uma criança, não vai conduzir o assunto para questões sexuais. Isso é um desrespeito?, afirma a psicóloga. O problema é que não se pode confiar no bom senso de quem está do outro lado da tela do computador. Por isso os pais devem ficar vigilantes, estabelecendo limites e diálogo com os filhos. ?É preciso conversar sobre todos os assuntos e falar sobre riscos e ofertas que os adolescentes vão encontrar na internet?, orienta Clara Noleto.

35% das denúncias envolvem menores de 10 anos

O segundo maior tipo de violência praticada contra crianças de 0 a 9 anos é a sexual.

O percentual é de 35% das denúncias. Em primeiro lugar estão os casos de negligência e abandono, com índice de 36%. O levantamento é do sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA) do Ministério da Saúde.

Os dados apontam também que 22% do total de registros envolveram menores de 1 ano e 77% foram na faixa etária de 1 a 9 anos. Na faixa etária de 10 a 14 anos, a violência física é o principal crime praticado contra menores, embora 10,5% das denúncias envolvam violência sexual.

Na idade entre 15 e 19 anos, a violência física responde por 28,3% dos registros, a psicológica tem índice de 7,6% e a sexual diminui para 5,2%.

As principais vítimas são do sexo masculino e 64,5% das agressões acontecem dentro de casa. Em relação ao meio utilizado para agressão, a força corporal/espancamento foi o meio apontado em 22,2% das denúncias.

Em 45,6% dos casos o provável autor da violência era do sexo masculino. Grande parte dos agressores são pais e outros familiares, ou alguém do convívio muito próximo da criança e do adolescente, como amigos e vizinhos.

Fonte: Nayara Felizardo