Prefeitura do Rio vai pagar por moradias do Minha Casa, Minha Vida

Buscas seguem pela sexta noite no morro do Bumba, em Niterói, onde mais de 50 pessoas ainda podem estar soterradas

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, anunciou nesta segunda-feira que o Município assumirá o pagamento das prestações do financiamento habitacional das famílias que serão transferidas de áreas de risco para um condomínio a ser construído no terreno onde ficava o presídio Frei Caneca, no centro da cidade. O local foi transferido hoje pelo governo do Estado para a prefeitura e as obras, que devem começar em 90 dias, serão ser incluídas no programa Minha Casa, Minha Vida.

"Nosso objetivo é permitir que essas pessoas possam dormir em paz quando tiver uma chuva. Aqui será um condomínio com financiamento do programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal e da Caixa Econômica, em que a Prefeitura vai pagar as prestações dos financiamentos para permitir que as famílias venham para cá sem nenhum custo", disse o prefeito.

Paes e o governador Sérgio Cabral anunciaram nesta tarde a construção de 2.500 unidades habitacionais no terreno onde ficava o presídio Frei Caneca. Lá serão reassentados os moradores das comunidades dos Prazeres e do Fogueteiro que perderam suas casas nos deslizamentos ocorridos na última semana. O anúncio foi feito durante visita ao terreno.

De acordo com o prefeito, as famílias dessas comunidades estão sendo identificadas, acompanhadas e recebem assistência social. "Nosso papel é dar o máximo de garantia de que essas pessoas vão permanecer vivas ao fazer com que elas saiam dessas áreas de risco. Estamos acompanhando as famílias e pagando o Aluguel Social, no valor de R$ 400, para que elas encontrem uma moradia provisória até que a obra do conjunto habitacional seja concluída. Esse auxílio vai valer até essas pessoas entrarem no imóvel em definitivo e legalmente", afirmou Paes.

Durante a visita ao local onde serão feitas as construções, o governador Sérgio Cabral destacou a importância da integração dos três níveis de governo para beneficiar o mais rapidamente possível as famílias que estão desalojadas. "A prioridade agora é para as pessoas que estão morando em áreas com risco iminente de vida. É uma união de esforços para oferecer moradia em áreas seguras. Hoje o Governo do Estado lançou o edital para a escolha da empresa construtora, que será feita até o final deste mês. Esperamos começar as obras em um prazo máximo de 90 dias", disse Cabral.

Ainda de acordo com o prefeito, todas as famílias em áreas de risco das outras seis comunidades atingidas pelas chuvas (Urubu, São João Batista, Cantinho do Céu, Pantanal, Laborioux e Parque Colúmbia) serão reassentadas em outros conjuntos habitacionais em construção pelo município ou receberão da prefeitura a opção do programa de Aquisição Assistida.

"A Geo-Rio já está fazendo um mapeamento geológico da cidade para identificar outras áreas de risco. Onde houver possibilidade vamos fazer as obras de contenção, onde não houver, o caminho será o reassentamento. A Prefeitura já identificou a existência de imóveis seguros no Município disponíveis para todas essas pessoas. Nenhuma família ficará em área de risco sem atendimento do poder público", disse o prefeito, que afirmou que elas não perderão o vínculo com a comunidade de origem.

"As pessoas serão reassentadas com dignidade nos locais mais próximos possíveis à comunidade onde moravam para que continuem estudando nas mesmas escolas, frequentando o mesmo posto de saúde, utilizando os mesmos meios de transporte para se deslocarem", disse.

Estragos e mortes

A chuva que castiga o Rio de Janeiro deixou pelo menos 231 mortos e centenas de feridos, alagou ruas, causou deslizamentos e destruição no Estado. Segundo o Instituto de Geotécnica do Município do Rio (Geo-Rio), desde o início do mês foi registrado índice pluviométrico entre 200 mm e 400 mm (dependendo da localidade). É o maior índice de chuvas na cidade desde que começou a medição, há mais de 40 anos. A média prevista pro mês de abril é de 91mm.

Fonte: Terra