Prefeitura tenta diminuir óbitos de recém-nascidos em Teresina

Foram realizados três encontros durante mês de junho

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) promoveu, durante o mês de junho, três encontros com profissionais das Diretorias Regionais de Saúde, apoiadores e profissionais da Maternidade Evangelina Rosa (MDER) para discutirem e analisarem as ocorrências de óbitos de recém-nascidos em Teresina, uma vez que os índices ainda inspiram preocupação entre os gestores de saúde da capital.

 “Nós da Gerência de Atenção Básica temos o objetivo de fazer com que os profissionais das equipes da Estratégia Saúde da Família colaborem ainda mais para melhorar esses indicadores”, falou a gerente de Atenção Básica da FMS, Smithanny Barros.

 O índice de mortalidade neonatal (crianças com menos de 28 dias de idade) na Maternidade Dona Evangelina Rosa em 2014 foi de 27,92%. “Temos que levar em consideração que a Evangelina Rosa recebe gestantes de risco de todo o Estado e, até mesmo, de fora do Estado. Mas os índices nos preocupam muito. Se fosse apenas uma morte, já nos preocuparia. Quando um bebê não sobrevive, uma família inteira fica abalada”, disse a médica neonatologista da referida maternidade, Isabel Almeida.

 Segundo ela, a principal causa de morte em recém-nascidos está relacionada à infecções que o bebê adquire da mãe. “A realização de um pré-natal bem feito é muito importante. E o exame de urocultura é fundamental na gestação com suposição de infecção urinária”, informou ela.

Visando contribuir para a diminuição das mortes neonatais por infecções adquiridas da mãe, as equipes Estratégia Saúde da Família a partir de agora irão melhorar o acesso aos exames de urocultura e antibiograma durante o pré-natal. “Vamos disponibilizar um protocolo para as equipes das Unidades Básicas de Saúde (UBS) otimizarem o acesso da gestante ao exame de urocultura, além de atualizarem a terapêutica da Síndrome Hipertensiva na gravidez, que é a segunda causa provocável de morte neonatal”, disse Amariles Borba.

A maior parte das mortes neonatais tem causas evitáveis, que podem ser prevenidas no pré-natal. Apenas no Sistema Único de Saúde (SUS), logo na primeira consulta, são requeridos 21 exames para avaliar o estado da mulher, e com isso prevenir problemas que podem ser contornados quando detectados precocemente. “Por isso queremos pedir às gestantes que não deixem de realizar o atendimento apropriadamente, com todo o seu histórico devidamente registrado na sua caderneta, pela saúde tanto delas como de seus filhos”, alerta Amariles Borba.

O pré-natal deve ser realizado nas Unidades Básicas de Saúde, com a realização de todas as consultas e exames. Se for um caso em comprovada situação de risco, elas são referenciadas para o ambulatório da MDER, e à medida que as pacientes passam de alto risco para leve são contra referenciadas para o acompanhamento das equipes de saúde da família novamente. Após o nascimento, quando a parturiente tem alta, a primeira consulta do bebê já fica agendada na UBS mais próxima da casa da mãe.

Fonte: FMS