Presidente da OAB-PI defende o "toque de recolher" em Teresina

De acordo com a medida, as crianças e adolescentes só poderão frequentar locais considerados de risco

Representantes do Ministério Público, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PI), Conselho Tutelar e a Polícia Militar discutiram ontem a aplicação do ?toque de recolher? para crianças e adolescentes de Teresina, após as 22 horas. A portaria foi baixada pela juíza da 1ª Vara da Infância e Adolescência de Teresina, Maria Luiza, com o objetivo de reduzir as estatísticas da violência entre os jovens.

De acordo com a medida, as crianças e adolescentes só poderão frequentar locais considerados de risco, como bares, show e restaurantes, após o horário estabelecido, com prévia autorização dos pais ou responsáveis. ?Acredito que esse foi o principal concesso entre todos os órgão presentes nesta reunião. Se o jovem não estiver acompanhado de um responsável é necessário uma autorização?, informou.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/PI), Sigifrói Moreno, defendeu a iniciativa da juíza, por levantar uma importante discussão sobre a violência praticada por e contra os adolescentes em Teresina. ?O mérito dessa questão é que de um lado estão os pais, que devem decidir se os filhos tem ou não condições de frequentarem esses locais sozinhos. E do outro o Estado, tentando garantir a integridade desses jovens?, comentou.

FOTOS: MOISÉS SABA





Fonte: Lídia Brito