Presidente do IAPEP aponta metas para resolver crise na Previdência no Piauí

Sabemos que a relação entre o plano de saúde e o servidor é extremamente contratual, sistema de autogestão, onde o próprio órgão gere seu sistema de saúde

A Previdência Social foi elencada pelo governador Wellington Dias (PT) como prioritária na gestão, o déficit de R$ 600 milhões ao ano gera uma das maiores preocupações na Administração Pública Estadual, desse modo, cada medida tomada adquire uma relevância ainda mais crescente.

Preocupado com a situação da área, o presidente do IAPEP (Instituto de Assistência e Previdência do Estado), Marcos Steiner, revelou ontem, em entrevista, algumas metas assumidas à frente do órgão, dentre as quais está a revisão de pastas primordiais para os beneficiários.

"Nós temos quedas de alguns credenciamentos, atualmente estamos revisando o regulamento do Plamta e do Iapep saúde, mas tentaremos controlar a saída de alguns médicos.

Sabemos que a relação entre o plano de saúde e o servidor é extremamente contratual, sistema de autogestão, onde o próprio órgão gere seu sistema de saúde.

Por isso, enfrentamos alguns julgamentos que colocam o plano com o SUS, mas os regulamentos do Plamta e do Iapep saúde são controlados pelo governo através de decreto", afirmou.

Steiner ainda revelou o desejo do governador em levar a Previdência para a Secretaria de Administração, deixando o IAPEP apenas com questões que envolvem a saúde. Segundo o presidente do órgão, a receita gerada por servidores inativos e pensionistas colocam o setor em dificuldades.

"Ele tem o interesse em levar a previdência para a Secretaria de Administração, onde pessoas responsáveis cuidarão e pensarão dia e noite na previdência. O IAPEP pensará na saúde", comentou.

Através desse cenário, Marcos Steiner vislumbra a parceria com outros órgãos e detalhou os esforços que estão sendo concretizados. "O Estado prepara um recadastramento onde serão colocadas permutas atuárias. Atualmente, um número muito grande de pessoas estão sendo aposentadas, por isso é preciso planejamento.

Fonte: Francy Teixeira