Problema de escoamento persiste na Avenida Nossa Senhora de Fátima

A obra corrigiu geometricamente a via

Apesar de ter sido concluída recentemente, a obra de rebaixamento da Avenida Nossa Senhora de Fátima, na zona Leste de Teresina, parece não ter resolvido completamente o problema de acúmulo de água na via.

O transtorno foi percebido pelos comerciantes da região durante a chuva que ocorreu na manhã da última segunda-feira (08) na cidade.

Augusto César, gerente de uma farmácia localizada na Avenida, afirma que quando chove, a água continua acumulando na via e fica difícil transitar na rua.

“O ponto positivo para a obra é que as lojas não ficam mais alagadas, como era antigamente. Mas a rua fica tomada pela água e fica perigoso até para alguém passar de carro”, conta Augusto. Jordana Cunha trabalha em uma lavanderia da região e também garante que o alagamento na Avenida persiste.

“Com a obra, o escoamento ficou um pouco mais rápido, mas, mesmo assim, a rua ainda fica alagada”, contou. Com o problema, os comerciantes acabam perdendo clientes.

“Eles [clientes] deixam de vir na loja porque é complicado trafegar na rua alagada”, acrescenta uma funcionária de um estabelecimento comercial, que prefere não se identificar.

As obras de drenagem na Avenida Nossa Senhora de Fátima foram realizadas com o objetivo de evitar a aglomeração de água no período chuvoso. As intervenções custaram cerca de R$ 226,5 mil e foram feitas por meio da Superintendência Desenvolvimento Urbano Leste (SDU Leste).

De acordo com o gerente de obras da SDU-Leste, José Alberto Rodrigues, a obra corrigiu geometricamente a via, visto que no local não havia uma inclinação suficiente para escoar a água. “A obra não foi feita para eliminar ou diminuir a vazão de água. A intervenção foi feita para provocar o escoamento dela”, explica.

O gerente declara, ainda, reconhecer que o problema do alagamento da via persiste e que só obras de macrodrenagem poderiam solucionar, por completo, o impasse.

“Nesse caso seria necessário obter recursos do governo federal pois são obras caríssimas, que custam milhões de reais. Até o final do ano, a prefeitura pretende credenciar projetos executivos para tentar pleitear junto ao governo federal financiamento para a construção de obras de macrodrenagem em Teresina”, finaliza o gerente de obras.


Fonte: Virgínia Santos e Izabella Pimentel