Professores entram em greve contra reajuste salarial no PI

Professores entram em greve contra reajuste salarial no PI

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação organizaram ato público em frente ao Palácio de Karnak, na manhã de ontem

Professores e trabalhadores da educação pública deflagraram greve em nível nacional nesta segunda-feira (17), a partir da primeira manifestação local realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica Pública (Sinte-PI), durante a manhã de segunda-feira (17) em frente ao Palácio de Karnak. Nesta terça-feira (18) o ato público será em frente à sede da APPM (Associação Piauiense de Municípios) durante toda a manhã.

De acordo com a presidente do Sindicato, Odeni Silva, a principal reivindicação nacional é contra o reajuste do piso salarial com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O salário nacional para o ano de 2014 é de R$ 1.814,00, após aumento de 8,32% para professores que cumprem jornada de 40 horas.

A categoria afirma que os governos não cumprem a Lei Nacional do Piso, que determina o pagamento igual ao custo aluno. Em dezembro de 2013 o custo aluno no Brasil chegou a R$ 2.022,51. Para os sindicalistas, para igualar o valor de referência seria necessário aumento de 19%, em vez de 8%.

Nacionalmente, os profissionais da Educação Básica também pedem a votação imediata e implantação do Plano Nacional da Educação (PNE). ?Temos também como meta pressionar o Governo do Estado para a realização de concurso público, além de uma resolução para os problemas sobre mudança de classe e a melhoria dos Plano de Cargos, Carreiras e Salários?, acrescentou Odeni.

A professora Marcilene Lima reforça que os governos (federal e estaduais) nunca cumpriram a lei sobre o Piso Nacional e que no Piauí persiste o sério problema a respeito do Plano de Cargos, Carreiras e Salários.

?Precisamos melhorar nosso acesso às mudanças de nível, licenças e estímulo à carreira. Do jeito que está o servidor só tem a perder, e com o cumprimento da lei, não só os professores ganham, mas todos os servidores envolvidos com a educação?.

A Secretaria Estadual da Educação (SEDUC) informou, através de sua assessoria de comunicação, que pelo fato de a greve ser nacional, a pasta só poderá se manifestar a respeito após orientação do Ministério da Educação.

Contudo, sobre o salário pago aos servidores com jornada de 40 horas, o Governo do Estado garante vencimento de R$ 1.965,99, maior que o Piso Nacional, de R$ 1.814,00.

Sobre a realização de um concurso público, a Seduc informou ainda que o próximo edital deverá ser finalizado e publicado ainda no mês de março de 2014 e prevê o preenchimento de 3 mil vagas, 2500 apenas para professores.

A assessoria de comunicação da Secretaria também assegurou que todas as medidas para manter os benefícios aos trabalhadores são preocupações da pasta.

Fonte: Samira Ramalho