Professores faltosos geram protesto em escola estadual

O movimento aconteceu na manhã desta segunda-feira (12/05) e contou com o apoio da associação de moradores do bairro.

ACOMPANHE A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DE TERÇA-FEIRA (13/05) DO JORNAL MEIO NORTE.

O drama vivido pelos alunos da Unidade Escola Professor Florestan Fernandes chega a mais um capítulo; cerca de 100 pessoas munidas de insatisfações constantes e angariadas por uma revolta crescente, realizaram uma manifestação pelas ruas do Deus Quer, zona Sudeste de Teresina, cobrando das autoridades a adoção de medidas drásticas contra as rotineiras ausências dos professores e a infraestrutura deficitária do imóvel. O movimento aconteceu na manhã desta segunda-feira (12/05) e contou com o apoio da associação de moradores do bairro.

Liderados pelo presidente da associação Clovenildo Santos, a população da região que depende efetivamente da unidade, indicou o temor com a insegurança nas imediações e as adversidades enfrentadas com a falta de energia no local. O gerador da escola não estaria sendo suficiente e o calor teria se tornado um empecilho no bom aprendizado dos alunos. ?Não suporta a capacidade?, afirma Santos. Uma parcela dos professores também não estaria cumprindo com os horários, o que causa, segundo os manifestantes, um prejuízo na assimilação do conteúdo. ?Fica difícil absorver algum assunto?, desabafa o estudante Francisco Allisson de 16 anos.

Através do gerente regional de educação Alberto Machado, a Seduc (Secretaria de Educação) se defende das acusações. ?Eu estive lá, eles ficaram de falar conosco e não compareceram?, pontua. A ausência dos professores na escola seria resultado da incapacidade dos mesmos devido a problemas de saúde. ?É isso que a unidade alega, a Secretaria já está tomando providências em relação aos docentes faltosos?, diz. Machado assume as dificuldades na montagem do quadro dos profissionais de educação e aponta para soluções. ?Nós sofremos com uma carência na polivalência, porém já estamos com um concurso encaminhado para junho, onde supriremos essa necessidade?, vislumbra.

Fonte: Francy Teixeira