Profissionais de saúde participam de capacitação sobre diabetes

Os que atuam na z. Sul participaram de uma capacitação sobre o tema

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) tem organizado diversas atividades em alusão ao Novembro Azul, mês de conscientização sobre o problema do diabetes. Hoje (12), profissionais que atuam na zona Sul participaram de uma capacitação sobre o tema no auditório do hospital do Promorar.

Avaliação do risco do pé diabético como uso do monofilamento (teste para avaliar a sensibilidade protetora da planta do pé e identificar o paciente em risco para ulceração) foi o tema da palestra direcionada aos médicos e enfermeiros da Estratégia Saúde da Família (ESF). “A avaliação e acompanhamento do pé diabético é uma forma de evitar a amputação de membros, uma vez que pequenos ferimentos são tratados antes que surjam complicações maiores”, informa Fátima Sousa, diretora Regional de Saúde Sul da FMS.

A experiência no tratamento de feridas do Hospital do Promorar é um exemplo de êxito no combate às complicações do diabetes, e seu caso foi apresentado aos profissionais. Em um segundo momento, eles puderam conhecer a rede de assistência ao portador de diabetes no município, e o trabalho realizado no Centro de Atenção ao Diabético, ambulatório voltado exclusivamente ao problema que fica no Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo.  

“A atenção básica tem muito a contribuir no controle do diabetes por meio do acompanhamento dos pacientes e prevenção de problemas mais graves”, afirma Fátima Sousa. “Oportunidades para capacitações e trocas de ideias são sempre bem vindas para proporcionar um atendimento cada vez melhor aos portadores deste mal”, completa a diretora.

Diabetes

O Diabetes é uma doença crônica não transmissível, que se caracteriza pela hiperglicemia, a taxa elevada de glicose no sangue.  Embora às vezes assintomático, os portadores do diabetes podem apresentar excesso de fome e sede, urinar muitas vezes por dia, fraqueza, visão turva ou infecções de repetição.

Hoje o diabetes se configura como uma pandemia, tendo mais de sete milhões de portadores apenas no Brasil. Até o momento não existe cura, mas é possível conviver com este mal e com qualidade de vida por meio de uma dieta saudável e apropriada, associada com atividade física e outros cuidados.


Fonte: Assessoria