Programa Saúde da Família cresceu 30% nos últimos sete anos

Campanhas de vacinação, pequenos atendimentos e o acompanhamento pré-natal são os principais serviços que contribuem para a atualização do cadastro

Em 2002 o Piauí tinha 61,04% das famílias cadastradas pela Estratégia Saúde da Família. Em 2005, o índice já era de 83,58%. Em 2009, esse numero saltou para 93,3%. Em sete anos, o Estado teve um avanço de mais de 30%. Esse aumento se deve, sobretudo, ao melhor monitoramento, sistematização dos dados e à contratação e qualificação de mais profissionais, como os agentes comunitários de saúde. Esses dados foram apresentados na publicação ?Indicadores de Saúde 2002-2009? lançados pela Secretaria da Saúde no início deste mês.

A Estratégia Saúde da Família é o principal programa da Atenção Básica prestada pelos municípios. Consiste em promoção da saúde e evitar agravos a partir de serviços de equipes multidisciplinares, cuidando de todos os aspectos que envolvem a saúde. No Piauí, em 2009, mais de 90% das famílias já estavam no PSF. A média de crescimento anual é de 4,17% de 2002 pra cá, com picos nos anos de 2002 e 2006, que registraram aumento em torno de 10% em relação aos outros anos.

?Uma das conclusões é que a divulgação dos serviços e o melhor acesso a eles é resultado dessa melhora da Estratégia, ao mesmo tempo, que é constante instrumento para ter um cadastro mais ampliado e correto?, explica a superintendente de Atenção à Saúde, Cristiane Moura Fé.

Campanhas de vacinação, pequenos atendimentos e o acompanhamento pré-natal são os principais serviços que contribuem para a atualização do cadastro da Estratégia Saúde da Família. ?As campanhas de vacinação e serviços como o pré-natal, geram, obrigatoriamente um cadastro do usuário na Estratégia por mais que o usuário não os utilize com a freqüência necessária. Esses são algumas das ferramentas que otimizam e melhoram a cobertura do ESF nas regiões?, disse Leidimar Alencar, diretora de Vigilância e Atenção à Saúde.

Leidimar ainda credita o aumento das famílias cadastradas ao monitoramento constante junto aos municípios e à alimentação do Sistema de Informações da Atenção Básica ? SIAB feita por eles. ?Os municípios são orientados a darem treinamento aos profissionais da atenção básica, inclusive na forma de lidar com o Sistema de Informações que é ferramenta fundamental no controle a partir da Secretaria da Saúde, além de supervisionar corretamente os profissionais que atuam no município. Essas medidas garantem a eficiência do cadastro e assim do atendimento", conclui.

Fonte: Sesapi