Projeto quer revitalizar espaços públicos abandonados de Teresina

Com o objetivo de revitalizar espaços públicos abandonados de Teresina, um grupo de apoiadores da causa cultural da cidade começou a tocar uma série de atividades voltadas para a reocupação destes loc

Com o objetivo de revitalizar espaços públicos abandonados de Teresina, um grupo de apoiadores da causa cultural da cidade começou a tocar uma série de atividades voltadas para a reocupação desses locais.

Através do Salve Rainha, que é um projeto desenvolvido pelo jornalista Júnior Araújo, o grupo busca oferecer arte, música, cultura e gastronomia, oferecidos pelo Café Sobrenatural.

Em sua primeira temporada, o Salve Rainha buscou a revitalização do prédio da Fundação Nacional do Humor (FNH), localizada na Praça Ocílio Lago. Na segunda e última edição o evento migrou para o calçadão da Simplício Mendes, mantendo boa repercussão e muitos visitantes.

Agora o Salve Rainha ocupa o antigo prédio da Câmara Municipal de Teresina, que atualmente está abandonado, e a Rua Climatizada, promovendo os Ensaios de Carnaval.

O último ensaio, o “Rainha do Mar”, aconteceu no domingo (1º) e contou com instalações de Kalina Rameiro e Elon Constantino, e exposição fotográfica assinada por Igor Girão.

O espaço da Rua Climatizada também ofereceu drinks, lanches gourmet e uma feira com itens diversos, ao som de discotecagens de DJs convidados.

O projeto surge como uma opção de lazer ao marasmo dos domingos, e também para fomentar a cena cultural e dar vida a espaços públicos em situação de abando.

“A ideia do Salve Rainha surgiu quando percebemos que Teresina tem muitos espaços públicos ociosos, que precisam de uma atenção e uma programação cultural. Nossa ideia é fomentar a cultura local e levar arte às pessoas”, explica Júnior Araújo.

Os Ensaios de Carnaval do Salve Rainha acontecem durante os domingos do mês de fevereiro. Nas próximas três intervenções, o grupo busca abarcar mais artistas e personagens da cultura mafrense. “O Salve Rainha é plural e participativo, e todas as manifestações culturais e artísticas são respeitas e têm seu espaço”, afirma o organizador.

Exposições do Salve Rainha também defende meio ambiente

As ocupações também têm uma preocupação que é de preservação do meio ambiente. Tanto que todas as instalações das exposições do Salve Rainha são elaborados com material reciclado.

"Todo o domingo nós apresentamos uma instalação, que fica no prédio da antiga Câmara Municipal de Teresina. O próximo ensaio é o Rainha da Alegria, e já estamos com o processo de reciclar lixo para montá-lo", afirma Júnior.

A sereia exposta no primeiro ensaio deu o que falar nas redes sociais, e ela foi feita integralmente com material reciclável. "Em nosso processo criativo, produzimos a sereia com materiais encontrados na porta daqui do prédio, que é um ponto de coleta de lixo. Com esse material também produzimos cortinas de plástico e águas-vivas, que ficam na rua climatizada", finaliza Júnior Araújo.

E pensando na manutenção do verde da capital, no evento também são distribuídas mudas de árvores e plantas nativas da flora teresinense - tais como o caneleiro, ipê e outros - aos frequentadores do Salve Rainha. A distribuição acontece em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMAM)

A rua é climatizada só no nome

Os apoiadores do Salve Rainha também querem trazer benefícios para a estrutura utilizada durante os Ensaios de Carnaval. Neste primeiro momento, conseguiram ligar a energia do prédio e da Rua Climatizada. A meta agora é fazer com que o sistema de ventilação da rua, que antes era um ponto turístico da cidade, volte a funcionar como antes.

Eles querem conseguir a reivindicação com um abaixo-assinado. "Protocolamos e fizemos ofícios pedindo a reinstalação da luz, agora queremos que os ventiladores voltem a funcionar. Faremos um abaixo-assinado com esse pedido à Prefeitura Municipal de Teresina e aos órgãos competentes", assinala Railane Matos de Carvalho, membro da organização do Salve Rainha.

Clique aqui e curta o Meionorte.com no Facebook

Fonte: Lucrécio Arrais