Projeto 'Registrar' será implantado em presídios para documentos dos detentos

"Ter um documento de identificação é a primeira forma de acesso aos programas voltados à ressocialização dos internos", conclui.

Através de um trabalho conjunto, a Secretaria de Justiça começa a implantar nas penitenciárias do Estado, o projeto 'Registrar', que consiste na expedição de documentos aos detentos.

A ação objetiva ajudar no andamento dos processos, tal como no acesso aos serviços básicos de saúde, desse modo, duas equipes formadas por assistentes sociais, psicólogos e estagiários do órgão realizarão uma triagem nas unidades prisionais piauienses, esse trabalho terá início na Casa de Custódia de Teresina, correspondendo a primeira etapa, que durará até o mês de maio.

"As equipes estão aplicando os questionários e, dessa forma, vamos saber a demanda real que será repassada aos órgãos parceiros no dia da ação", explica a coordenadora de Humanização da Secretaria Estadual de Justiça, Eliana Alves.

Esse processo deve ser finalizado nos nove pavilhões da unidade até o final da próxima semana, segundo relatou a coordenadora. O projeto 'Registrar' é uma ampliação do 'Resgatando a Cidadania' que já auxiliava os presos nesta questão, para o secretário estadual de Justiça, Daniel Oliveira, este é um importante passo para a ressocialização.

"Ter um documento de identificação é a primeira forma de acesso aos programas voltados à ressocialização dos internos", conclui.

Ao todo, são oito órgãos parceiros: Secretaria Estadual do Trabalho e Empreendedorismo/Sine, Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania (Sasc), Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), Junta Militar, Corregedoria de Justiça do Piauí, Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE-PI), Instituto de Identificação e Fundação Municipal de Saúde.

"Já tivemos uma reunião com os órgãos parceiros, que irão assinar um Termo de Adesão no dia 27 de abril. A partir daí vamos definir a data da primeira ação, com todos os órgãos", explica a gerente de Humanização, Elizângela Macedo.

Fonte: Francy Teixeira