Promotor fez denúncia contra "Kiss" em 2011 após pedido de bombeiros

O documento é assinado pelo promotor público João Marcos Adede y Castro, que se aposentou em dezembro do último ano.

Uma requisição do MP-RS (Ministério Público do Rio Grande do Sul) de 7 de julho de 2011 pedia uma vistoria na boate Kiss, de Santa Maria, para verificar a situação sanitária e de plano de combate a incêndio na casa noturna onde morreram mais de 200 jovens na madrugada do último domingo (27).


Promotor fez denúncia contra

O documento é assinado pelo promotor público João Marcos Adede y Castro, que se aposentou em dezembro do último ano. "Eu recebia muitas denúncias de bombeiros que iam fiscalizar os locais e não eram obedecidos pelos proprietários. Então, eles me procuravam porque se sentiam impotentes e não conseguiam obrigar os donos a seguirem as leis. Foi o caso da denúncia dessa boate", relata Castro.

A comunicação tinha como destinatário Wladimir Comassetto, então um dos comandantes locais da Brigada Militar, a denominação gaúcha para a PM. A Brigada é a responsável pelo Corpo de Bombeiros em todo o Rio Grande do Sul. Comassetto hoje está na reserva.

Como comprovou a tragédia que comoveu o Brasil e o mundo, não houve mudança significativa na casa noturna. "Aqui em Santa Maria há uma resistência forte porque os empresários não querem gastar com segurança e não há uma pressão governamental para controlá-los", conta o promotor, que diz ter mandado mais de 400 pedidos de fiscalização do comércio da cidade gaúcha.

Fonte: UOL