Quer ter orgasmo com o sexo anal? Conheça mitos e verdades

Ideal é sempre usar camisinha para evitar a transmissão de doenças

Dá para chegar ao orgasmo com sexo anal? Sempre vai doer? Tem que lubrificar? Causa hemorroidas? Causa câncer? A prática considerada milenar, mas que ainda é tabu nos dias atuais, é sempre permeada de dúvidas. Especialistas esclarecem alguns mitos e verdades sobre o sexo anal.

Para Fábio Guilherme Campos, presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia, o primeiro passo para ter prazer no sexo anal é fazer somente quando tiver vontade e se sentir relaxado. Uma boa lubrificação e muita calma nessa hora também ajudam.

"O sexo anal é assim: ame-o ou deixe-o. Por que há a tendência natural de se contrair a musculatura responsável pela evacuação, os esfincteres anais, durante a penetração. Uma posição relaxada, uma penetração lenta e pausada depois da lubrificação evitam que a pessoa sinta dor", afirma Campos.

Mesmo na empolgação, o ideal é sempre usar camisinha para evitar a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis: o HIV, HPV, sífilis, gonorreia, entre outras. A camisinha evita ainda a transferência de bactérias do ânus para a uretra e para a vagina, que pode causar infecções urinárias tanto no homem quanto na mulher, alerta Eduardo Bertero, coordenador-geral do Departamento de Andrologia da Sociedade Brasileira de Urologia.

Image title

É possível ter prazer anal

Verdade. O prazer é possível porque a região anal é repleta de terminações nervosas que causam boas sensações. Alguns conseguem até chegar ao orgasmo quando estão bem relaxados.

A pomada anestésica é indicada para ter mais prazer

Mito. Produtos à base de xilocaína são contraindicados por causar sensações de dormência no ânus e no pênis, que podem camuflar penetrações abruptas com alto potencial de machucar a musculatura da região anal. A anestesia também pode cortar a sensação de prazer.

Penetração vaginal depois do sexo anal pode causar infecções

Verdade. Essa sequência sexual tende a transportar bactérias da região anal para a vagina, causando vaginite, cistite e infecção urinária na mulher. Isso porque a região anal é repleta de bactérias que não fazem mal à saúde desde que permaneçam onde estão. Em contato com a uretra, elas causam as infecções urinárias também no homem. Lavar bem o pênis ou usar camisinha e trocá-la entre um ato e outro corta o perigo.

É normal ocorrer sangramento após a relação

Mito. Embora a mucosa retal possa ter mais micro lesões porque é mais sensível, o sangramento pode ser sinal de hemorroidas, de fissuras anais ou do esgarçamento da mucosa anal que devem ser tratadas. É importante procurar um especialista para analisar a região.

Devo usar lubrificante toda vez que fizer sexo anal

Verdade. É aconselhável para evitar fissuras no ânus, área bastante vascularizada e sem lubrificação natural. Podem ser usados lubrificantes a base de água ou os mais oleosos, levando em conta que os primeiros têm duração menor já que a água tende a secar. Por outro lado, os oleosos são um pouco mais difíceis de serem removidos.

Sexo anal causa hemorroidas

Mito. O sexo anal não causa hemorroidas, mas tende a piorar o problema se os sintomas estiverem latentes, lesionando ainda mais o ânus. As hemorroidas são estruturas vasculares que todo mundo tem, mas nem todos têm a doença inflamatória. Pessoas que estão com sangramento ou com as hemorroidas expostas devem evitar a prática, mas quem tem a doença tratada não obrigatoriamente precisa deixar de fazer.

É normal ter dor durante o sexo anal

Parcialmente verdade. Nem todas as pessoas experimentam dor, mas ela pode aparecer se a pessoa ficar tensa, se não usar lubrificante antes do sexo ou se a transa for muito prolongada. O ato intenso, sem lubrificação, pode causar fissuras no ânus que causam dor. Processos inflamatórios ou infecciosos no canal anal também tornarão o ato doloroso. Por isso, se tiver dor na hora do ato, pare e procure um médico.

O sexo anal pode causar câncer no reto ou no intestino

Mito. O sexo anal não causa o câncer em si, mas feito sem proteção aumenta a chance de transmissão de doenças sexualmente transmissíveis como o HPV, que é potencialmente cancerígeno.

Uso da camisinha evita DSTs e infecções

Verdade. A camisinha é uma barreira de proteção para HIV, HPV, sífilis, gonorreia e muitas outras doenças sexualmente transmissíveis. Ela ainda evita o contato com as bactérias da região anal, que se atingirem o canal da uretra pode causar infecções urinárias.

Fazer sexo anal alarga o ânus

Parcialmente verdade. A mudança no estreitamento do ânus é natural quando a área é bastante estimulada, o que não significa um problema de saúde. A alteração não deve ser confundida com a incontinência fecal, que é a perda parcial ou total da capacidade de reter as fezes na hora de evacuar. O problema acontece quando há lesão no esfíncter anal, que pode ocorrer durante um ou vários atos sexuais feitos de forma abrupta, mas é raro.

Tomar laxante antes é indicado

Mito. O laxante pode causar diarreia com fezes líquidas, o que seria uma tragédia na hora do ato. Pior: não se sabe quando o laxante vai fazer efeito.

Devo fazer uso do "chuveirinho" antes da relação

Parcialmente verdade. A prática conhecida também como lavagem intestinal visa a retirar o excesso de fezes que ficam impregnadas no intestino através de um jato de água em direção ao ânus. Com isso, tende a diminuir as chances de o ativo contrair infecções pelo contato com bactérias. Mas a prática é contraindicada por alguns especialistas, que indicam somente a evacuação antes de transar e a higienização externa do ânus.

Fonte: Com informações da UOL