Racismo ainda é forte no Piauí, dizem integrantes do grupo Coisa de Nêgo

Racismo ainda é forte no Piauí, dizem integrantes do grupo Coisa de Nêgo

Dentre as marcas mais fortes do preconceito contra negros nos dias de hoje, Gilvano destaca o alto número de negros em situação precária

O preconceito ainda está muito presente em todo o Brasil e em Teresina não é diferente. Segundo o coordenador de produção do grupo Coisa de Nêgo, Gilvano Quadros, já existem políticas públicas voltadas para essa parcela da população, no entanto, elas não são implementadas como deveriam. Com isso, os negros do estado ainda estão ?desamparados? pelo poder público.

Como um ato simbólico, para lavar todo esse preconceito da nossa sociedade, os movimentos negros e movimentos sociais realizaram ontem (20), dia da Consciência Negra, a lavagem da escadaria da Igreja São Benedito. ?Esse é um ato contra o preconceito e a discriminação, ele representa toda a necessidade de varrer esse preconceito da nossa sociedade, que ainda é muito grande. Ele ainda impera e é forte, só muda o jeito de ser externado ao longo dos anos?, disse Gilvano.

Dentre as marcas mais fortes do preconceito contra negros nos dias de hoje, Gilvano destaca o alto número de negros em situação precária. ?Hoje em dia nós ainda vivemos em situação difícil, em uma condição social que deixa a desejar, com políticas públicas que não são implementadas. Os detentores do poder não têm interesse em abraçar nossas causas?, reclamou o membro do grupo Coisa de Nêgo.

Além da lavagem das escadarias da Igreja São Benedito, o movimento Negro do Piauí realiza durante todo este mês da consciência negra atividades alusivas à data. No dia 23 deste mês acontece a 28ª Festa da Beleza Negra. O dia de hoje será destinado a palestras na Universidade Estadual do Piauí (Uespi) e escolas públicas. À noite o grupo cumpre agenda em Demerval Lobão.

?Essa é a semana da consciência negra e temos uma programação voltada para ela, mas desde o início do mês que já estamos realizando atividades no sentido de celebrar essa data. O dia 5 de novembro foi a abertura oficial das nossas atividades alusivas à Consciência Negra. Depois disso tivemos celebrações afro, palestras, oficinas. Nos dias 15, 16 e 17 nós estivemos em Valença, com a Caravana da Juventude Quilombola?, disse Gilvano.

Fonte: Pollyana Carvalho