Deputado confira que agrediu repórter do CQC no Congresso

Deputado confira que agrediu repórter do CQC no Congresso

De acordo com a nota, Moreira teria negado a entrevista, mas acabou cedendo diante da insistência do repórter

O deputado Marcio Reinaldo Moreira (PP-MG) se manifestou nesta quarta-feira a respeito da agressão ao repórter Felipe Andreoli, do programa CQC, da TV Bandeirantes, durante uma entrevista no Congresso. Em nota, o parlamentar disse que o jornalista o teria desrespeitado. "(...) o jornalista do CQC de forma provocativa e desrespeitosa se manifestou ofendendo minha honra, dignidade e toda a instituição do Parlamento. Infelizmente, minha reação foi instintiva". Andreoli registrou boletim de ocorrência na noite de terça-feira alegando que o deputado o agrediu com um tapa na cara.

De acordo com a nota, Moreira teria negado a entrevista, mas acabou cedendo diante da insistência do repórter. "Na noite de ontem, dia 08 de maio, fui abordado pelo Jornalista Felipe Andreolli e a equipe do CQC sobre a votação da PEC do Trabalho Escravo. Ciente de se tratar de uma equipe do programa humorístico sinalizei em negativa à entrevista. Contudo, face à insistência, respondi ao questionamento."

Ainda conforme o parlamentar, sua reação diante das perguntas do repórter teria sido "impulsiva". "Defendo a liberdade de imprensa. Seu trabalho livre e responsável, mesmo quando criticado. Lamentavelmente, a reação impulsiva, incompatível com minha personalidade, não justifica as agressões verbais sofridas", disse o deputado.

O parlamentar também criticou a fórmula do programa CQC. "Os recentes programas humorísticos lançados pelas redes de tevê misturam, perigosamente, humor e realidade. Confundem as cabeças das pessoas e colocam em cheque o autêntico jornalismo brasileiro. A confusão se estabeleceu. Humor e jornalismo? O deboche ou a análise séria dos fatos?", questionou. "Essa mistura é perigosa. A fórmula para se atingir o humor em um ambiente sério é extremamente delicada e se rompe facilmente, na medida em que o humorista precisa provocar, instigar, ofender e até rebaixar pessoas, para que os telespectadores possam se divertir", completou.

"Apesar do ocorrido, reitero meu compromisso com a liberdade de imprensa, que é imprescindível para o fortalecimento da democracia. Acredito na imprensa livre, ativa, crítica, combativa, mas séria e responsável", afirmou o deputado.

Fonte: Terra