Retomadas as buscas por filho de deputado desaparecido

Retomadas as buscas por filho de deputado desaparecido

Seis embarcações são usadas pela Marinha em São Gabriel da Cachoeira

Militares da Marinha e do Exército e agentes da Polícia Federal (PF) do Amazonas retomaram, às 8h (horário de Brasília) desta quinta-feira (3), o trabalho de buscas pelo advogado Pedro Yamaguchi Ferreira, 27 anos. Ele está desaparecido desde a tarde desta terça-feira (1º), quando entrou no Rio Negro para nadar, em São Gabriel da Cachoeira (AM), local conhecido como "Cabeça de Cachorro".

Pedro é filho do deputado federal Paulo Teixeira (PT/SP), que viajou para a região, nesta quarta-feira (2), para acompanhar as buscas. A Capitania dos Portos do 9º Distrito Naval da Marinha informou que estão sendo usadas seis embarcações, entre botes e lanchas, na tentativa de localizar o advogado desaparecido. De acordo com a Polícia Federal (PF), um agente e uma equipe do Exército também participam do trabalho de buscas.

O escritório político do deputado informou ainda que Pedro atuava como advogado da Pastoral Indigenista na Diocese de São Gabriel da Cachoeira desde fevereiro deste ano.

De acordo com a assessoria do político, Pedro está desaparecido desde que saiu para tomar banho no Rio Negro. Ele não retornou para casa nesta terça-feira e não deixou informações sobre seu paradeiro.

Nesta época do ano, a região fica chuvosa e a correnteza do Rio Negro costuma ficar mais forte. "Os militares percorreram uma grande área nesta quarta-feira. Esperamos que o trabalho tenha um bom resultado hoje [quinta-feira] e que o Pedro possa retomar o trabalho missionário que ele exercia na comunidade", disse o padre Jorge de Oliveira Gonçalves, da diocese de São Gabriel da Cachoeira.

Perfil

No blog do pai, Pedro publicou, em 22 de fevereiro, sua despedida de São Paulo antes da partida para São Gabriel da Cachoeira. No post, ele disse que iria trabalhar em uma experiência missionária e que a decisão da viagem era fruto de um antigo desejo.

Em São Paulo, ainda de acordo com o blog, Pedro atuou por três anos na Pastoral Carcerária. Antes da viagem, uma missa foi realizada, no dia 25 de fevereiro, na Igreja Nossa Senhora da Boa Morte, em comemoração pelo envio do advogado para São Gabriel da Cachoeira.

Segundo Gonçalves, o advogado deveria ficar por cerca de três anos em São Gabriel Cachoeira. "Ele ajudava toda a comunidade local, que é basicamente composta por indígenas, com todo tipo de documentação jurídica. Apesar de estar aqui desde fevereiro, ele já era bem querido pelos moradores."

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu nota de solidariedade aos familiares do advogado. O documento foi assinado por dom Nelson Westrupp, presidente do Conselho Episcopal.

Fonte: g1, www.g1.com.br