RJ: Cães farejadores ajudam no tratamento de crianças em abrigo

Sob o comando de policiais, os animais despertam a sensibilidade e estimulam as crianças em atividades como fisioterapia



Mais do que farejar armas e drogas, os cães do canil do 7º BPM (Alcântara) têm uma missão ainda mais especial: auxiliar na terapia de crianças. Os menores com múltiplas deficiências são atendidos no Centro Integrado da Criança e do Adolescente Portador de Deficiência Professor Almir Madeira, no bairro Barreto, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

As três cadelas mais dóceis realizam o trabalho extra há oito anos, sendo que há seis o trabalho é desenvolvido no centro vinculado à Fundação para a Infância e Adolescência (FIA).

A ideia de usar as cadelas da raça labrador Hanna e Ranger e a golden retriever Luna na cinoterapia (terapia com cães) foi do capitão veterinário Sérgio Braga, responsável pelo canil do batalhão. Sob o comando de policiais, os animais despertam a sensibilidade e estimulam as crianças em atividades como fisioterapia.



O projeto foi criado há oito anos pelo capitão veterinário Sérgio Braga, responsável pelo canil do 7º BPM. Ele conta que teve a ideia de criar o tratamento quando percebeu que poderia aproveitar melhor o tempo ocioso dos cães, que fazem saídas esporádicas do batalhão.

De acordo com a diretora do abrigo, Maria Angélica Peixoto, os cães são facilitadores para o trabalho dos profissionais da área de saúde, que desenvolvem diversos tipos de terapias e fisioterapias com as crianças.

Na presença dos animais, as crianças ficam mais relaxadas, o que facilita a fisioterapia, por exemplo, que às vezes é dolorosa. Com o auxílio dos cães, o resultado no tratamento é melhor. Os cães também facilitam a percepção delas e ficam mais bem humoradas.

Segundo o capitão, os animais que antes só saíam do batalhão quando tinham alguma missão, passaram a ser levados para instituições para interagir com crianças, idosos e deficientes. As cadelas já trabalharam no Lar Samaritano, para idosos, e também com deficientes visuais.



Os cães são sempre acompanhados desde pequenos por um policial. De acordo com eles, além do benefício para as pessoas atendidas, o trabalho é benéfico também para os PMs e para os cães. Para os policiais, a satisfação vem da alegria das crianças.

Já para as cadelas Hanna, Ranger e Luna, a recompensa vem em forma de carícias e abraços, que ajudam no relaxamento dos animais.

O Centro Integrado da Criança e do Adolescente Portador de Deficiência Professor Almir Madeira atende 33 meninos e meninas com múltiplas deficiências. É o único abrigo público do estado a atender deficientes com sonda de gastronomia.

O espaço abriga crianças e adolescentes especiais em situação de vulnerabilidade social e que são encaminhados pela Justiça como medida de proteção até que as famílias se organizem para poderem recebê-las.

Fonte: g1, www.g1.com.br