Saberes da Terra leva qualificação profissional a jovens agricultores

O Programa Saberescda Terra, que é voltado para a Pedagogia da Alternância onde o aluno passa 15 dias na escola e 15 dias na comunidade

Para atender jovens agricultores familiares na faixa etária de 18 a 29 anos que, embora sabendo ler e escrever, não concluíram o ensino fundamental, o governo federal está investindo cerca de R$ 5 milhões no Programa Projovem Campo - Saberes da Terra, que tem por objetivo suprir a necessidade de elevação de escolarização destes agricultores, bem como oferecer a eles qualificação social e profissional.

?Nós sabemos que o Piauí é um Estado eminentemente agrícola, que não tinha políticas públicas voltadas para este público do campo. Com o governo do presidente Lula, esta política pública veio viabilizar e dar oportunidade a esses alunos do campo?, diz a professora Teresa Gorete, coordenadora de Gestão e Projetos da Unidade de Educação Profissional da Seduc ? Secretaria de Educação e Cultura e coordenadora estadual do Programa Projovem Campo - Saberes da Terra.

De acordo com ela, a versão 2008 terá início no final deste mês ou início de maio, mas muitos municípios já começaram as atividades desde o mês de março. As turmas são formadas com 30 a 35 alunos. No Piauí foram oferecidas 1.925 vagas, sendo que 40% são disponibilizadas para o Programa Territórios da Cidadania, programa do governo federal que tem como objetivo promover o desenvolvimento econômico e universalizar programas básicos de cidadania por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial sustentável.

O que é o Projovem Campo -Saberes da Terra

O Programa Projovem Campo - Saberes da Terra, que é voltado para a Pedagogia da Alternância onde o aluno passa 15 dias na escola e 15 dias na comunidade, tem duração de dois anos e cada aluno recebe uma bolsa no valor de R$ 100,00, bimestralmente. Durante esse tempo, os alunos recebem o material didático, alimentação, transporte e cada turma é acompanhada e monitorada por três professores nas áreas de linguagem, humanas, ciências biológicas ou exatas, além de um agrônomo. São 64 turmas em 55 municípios, envolvendo 192 professores que recebem especialização em Educação no Campo, custeada pelo Governo do Estado.

?Os olhos do MEC ? Ministério da Educação e Cultura estão voltados para a região de Picos, porque lá é semiárido. Além de Picos, os municípios de Itainópolis, Vera Mendes, Belém do Piauí, Caldeirão Grande, Francisco Macedo, dentre outros. Na região de Teresina tem Piracuruca, Nossa Senhora de Nazaré, Castelo do Piauí etc.?, explica Teresa.

A professora afirma ainda que os alunos vão aprender, além dos conhecimentos sistemáticos, experiências do dia-a-dia, sendo que o eixo articulador é a agricultura familiar. Segundo ela, esta interdisciplinaridade acontece com as demais disciplinas do currículo do período regular de ensino. ?Este é um programa do governo federal em parceria com as Secretarias de educação dos Estados, movimentos populares e entes federados sem fins lucrativos?, finaliza Gorete.

Fonte: CCOM, www.pi.gov.br