Sandra Annenberg relata os sintomas da Gripe Suína

A minha filha Elisa foi a primeira a apresentar os sintomas. Na noite do domingo, 19 de julho, ela estava cansada

A apresentadora Sandra Annenberg, do "Jornal Hoje", que está com suspeita da nova gripe, contou, por email ao EGO, na noite desta sexta, 24, como está se sentindo. "Entrei para as estatísticas", escreveu ela. Confira abaixo a íntegra do depoimento de Sandra

A minha filha Elisa foi a primeira a apresentar os sintomas. Na noite do domingo, 19 de julho, ela estava cansada. Também pudera, no dia anterior tinha sido seu aniversário. Fomos ao Pão de Açúcar, almoçamos fora e estava sol e calor.

No domingo, resolvemos levá-la para andar de bicicleta no calçadão, ventava muito, começou uma garoa fina e esfriou rapidamente. Achei que ela não estava bem por conta das intensas comemorações do fim de semana.

Na segunda-feira acordou normal, mas à tarde começou o febrão acima de 38 C. Eu estava trabalhando e o pai, que só viajaria a trabalho no fim do dia, ficou cuidando da cria.

Ligamos para o pediatra voando. Receitou um antitérmico e pediu um exame para Influenza A, não o específico para H1N1, pois esse só os hospitais de referência podem fazer. Só conseguimos fazer o exame no dia seguinte, na terça-feira. Eu também fiz, pois estava começando a me sentir esquisita, cansada, sem forças e já estava com tosse forte.

A Elisa já estava sem febre e assim passou a terça-feira inteira. Fizemos o que os médicos chamam de Swab Nasal para detectar 5 tipos de vírus , um exame simples. Com um cotonete gigante é recolhida a secreção nasal.

O resultado só sairia na quarta-feira no fim do dia. Trabalhei na terça-feira normalmente apresentando o "Jornal Nacional", estava no Rio cobrindo as férias da Fátima.

Mas na quarta foi a minha vez. Acordei péssima. Não conseguia sair da cama, estava me sentindo muito fraca, com um pouco de falta de ar, dores pelo corpo, na cabeça, coriza, os olhos ardendo e a febre chegou rapidamente acima dos 38ºC. Fiquei de cama e comuniquei à equipe do "JN" que não poderia trabalhar.

O médico da minha filha, conhecendo meu histórico de bronquite, pediu que fizesse um raio-x do pulmão. Fui a uma clínica no Rio e meu pulmão estava limpo. Mas decidimos voltar pra casa. Nada como a casa da gente nessas horas de fragilidade.

Para enfrentar avião, usei máscara e tomei todos os cuidados recomendados: usamos álcool gel para as mãos o tempo inteiro e não tocamos em ninguém. Na quinta pela manhã fui ao hospital, em São Paulo. Como faço parte do grupo de risco, por conta da minha fragilidade pulmonar, pude fazer o exame para H1N1 e receber o medicamento Tamiflu.

Com autorização da Secretaria de Saúde, me foram dadas as 10 drágeas em saquinhos individuais, devo tomar uma a cada 12h, um tratamento que dura 5 dias. Minha filha não vai tomar o remédio por não ter nenhum problema de saúde, nem meu marido que foi o próximo da família a ficar doente.

Na própria quinta, o Ernesto (Pagllia) acordou com o febrão e assim está até agora, fim de tarde de sexta. Ele está de repouso, com todos os sintomas pelos quais já passamos. Agora, eu e Elisa, não temos mais febre, estamos apenas com uma tosse persistente e forte.

Eu me sinto muito fraca e cansada, provavelmente porque a minha respiração esteja curta. Mas a nossa pequena reagiu rapidamente e está a mil! Tadinha, tem que ficar de quarentena mesmo já se sentindo bem... E nós não conseguimos acompanhar o pique da menina! Teremos que ficar internados em casa até, pelo menos, segunda-feira. O resultado do exame deve sair em 5 ou 7 dias...até lá já terei recebido alta.

Hoje a Vigilância Epidemiológica ligou para saber como estou me sentindo e para pedir que não saiamos de casa. Os amigos telefonam para desejar tudo de bom, muita saúde e dizem pra gente aproveitar o tempo em casa... Sem dúvida, o friozinho e a chuvinha paulistanos, são convidativos para o repouso...mas posso garantir que não dá pra descansar assim.

Acho que vale dizer que não tivemos contato com ninguém que tenha viajado para fora do país, pelo menos não que saibamos... Aliás, cancelamos uma viagem de férias à Argentina justamente por causa da gripe suína.

Fui informada pelo hospital que a Secretaria de Saúde só deverá me ligar se o resultado para H1N1 for positivo... Assim que eu souber de alguma novidade prometo informá-los.

Mas mesmo que não seja a "tal"da gripe, nova ou velha, a Influenza A é bastante forte. O suficiente para derrubar a família inteira ! Espero que todos fiquem bem, com saúde e que voltemos a nos ver o mais rapidamente possível.

Sandra"

Fonte: Ego, www.ego.com.br