Seis casas noturnas serão interditadas em Teresina

Destas seis casas, quatro já foram interditadas e duas deverão ser fechadas no próximo final de semana.

As casas de shows de Teresina continuam sendo fiscalizadas para que seja comprovada a regularidade da estrutura de cada uma delas e assim seja garantida a segurança de quem frequenta estes espaços. Como resultado, só na região Centro-Norte da capital seis casas noturnas deixarão de funcionar por apresentarem irregularidades.

Destas seis casas, quatro já foram interditadas e duas deverão ser fechadas no próximo final de semana. As fiscalizações nessa região da cidade aconteceram até o dia 22 de março e resultou na constatação de que 15 casas noturnas estão irregulares, das 24 localizadas na região. ?As irregularidas mais comuns são a falta de saída de emergência, falta de extintores, além da falta de licenças de funcionamento?, disse o fiscal da Superintendência de Desenvolvimento Urbano da região Centro-Norte de Teresina, Alexandre Mariano.

Na zona Leste, foram cerca de 25 casas irregulares e autuadas. Já na zona Sudeste, a fiscalização só foi finalizada na noite de ontem e o relatório com o número de locais irregulares ainda não foi fechado. Já a zona Sul, segundo Francisco Alberto Pereira, da equipe de fiscalização, não há casas de shows, mas bares, restaurantes e até postos de combustível onde são realizados eventos. Cerca de cinco destes locais foram autuados, por realizarem festas sem a devida licença para isso.

?Estes espaços têm licença para funcionar como bares e restaurantes, mas no final de semana os proprietários costumam realizar shows, mesmo não sendo espaço para isso. Eles todos foram fiscalizados e onde foi necessário pedir que fossem feitas adequações nós pedimos?, disse o fiscal.

Os proprietários destes espaços tem até 60 dias a contar da data da autuação para providenciar toda documentação e fazer as alterações necessárias na estrutura do local. Caso não se adaptem, a Justiça será acionada. A ação junto a essas casas de shows foi motivada pelo desastre que aconteceu na boate de Santa Maria, há um mês, que matou dezenas de pessoas.

Fonte: Pollyana Carvalho