Sete cursos de medicina podem ser cancelados ou sofrer redução de vagas

As instituições que oferecem os cursos terão 15 dias para apresentar defesa antes da decisão final.

Sete cursos de medicina correm o risco de encerramento ou redução de vagas após processos administrativos instaurados pela Secretaria de Educação Superior, do Ministério da Educação (MEC).

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (7) no Diário Oficial da União e publicada após "a verificação de não cumprimento de medidas de saneamento determinadas" pelo governo, informa o MEC.As instituições que oferecem os cursos terão 15 dias para apresentar defesa antes da decisão final.

De acordo com a publicação oficial, passarão pelas avaliações os cursos da Universidade Iguaçu (Unig), campi Nova Iguaçu e Itaperuna; Centro Universitário Volta Redonda (Unifoa), Universidade Severino Sombra (USS), em Vassouras (RJ); Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp) e Universidade de Marília (Unimar), em São Paulo; e Faculdade de Medicina do Planalto Central, em Brasília.

O curso que pode ter a oferta de vagas suspensa é o da Universidade Iguaçu, no campus de Nova Iguaçu (RJ). Segundo o MEC, após prazo de dois semestres para o cumprimento de medidas, a instituição não promoveu as melhorias necessárias.

De acordo com o reitor da Unig, Julio Cesar da Silva, a universidade ainda não recebeu a notificação. "Assim que recebê-la, ficaremos cientes de quais são os pontos a serem alterados. E vamos acatar", afirma. De acordo com o reitor, o curso passa por processos de supervisão desde 2008, o que é praxe, afirmou.

Por meio da assessoria de imprensa, a Unifoa afirmou que ainda não foi notificada oficialmente. Em cima das pendências que forem apontadas nessa notificação oficial, formulará defesa, considerando que entende que cumpriu todos os termos de saneamento solicitados pelo MEC. O curso de Medicina da Unifoa tem 41 anos e cerca de 600 alunos.

Também por meio de nota, a Unaerp afirmou que recebe com tranquilidade a notícia sobre o prosseguimento do processo de avaliação do curso de medicina. Afirmou ainda acreditar que o resultado final do processo de avaliação do MEC será a confirmação da qualidade do curso. A universidade afirmou também que confia na excelência do curso, que, anteriormente, ao boicote dos alunos no Enade 2007, havia sido avaliado com conceito 4 em uma escala de 1 a 5.

Na Faculdade de Medicina do Planalto Central, a diretoria está reunida e até o final da tarde de hoje deve divulgar posicionamento, segundo informação dada pela secretaria. A instituição não recebeu ainda a notificação.

De acordo com a assessoria de marketing da USS, a universidade aguardará os 15 dias que tem para se manifestar e aguardará a nota técnica do MEC com a decisão integral da portaria. De acordo com a assessoria, "a portaria afirma que cumprimos parcialmente as medidas saneadoras, embora desconheçamos ainda o que foi e o que não foi cumprido".

O site oficial da universidade comemora a liberação do processo seletivo do curso de medicina. ?A USS tem o prazer de compartilhar com seu corpo discente, docente e colaboradores a liberação do processo seletivo para o Curso de Medicina. Aos interessados que sempre acreditaram nas atividades do curso, solicitamos que aguardem a publicação de Edital", diz o site.

Fonte: g1, www.g1.com.br