Sindicato dos professores diz que governo ofereceu proposta com aumento de 25%

Sindicato dos professores diz que governo ofereceu proposta com aumento de 25%

De acordo com o presidente da entidade, Eduardo Rolim de Oliveira, o reajuste mínimo passaria de 12% para 25%.

A Federação dos Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), que representa os docentes em greve, informou nesta terça-feira (24) que o governo ofereceu na noite desta terça-feira (24) uma nova proposta de reajuste nos salários para acabar com a greve da categoria, que já dura quase dois meses e atinge 57 das 59 universidades federais.

De acordo com o presidente da entidade, Eduardo Rolim de Oliveira, o reajuste mínimo passaria de 12% para 25%; o máximo, para professores com titulação maior, permaneceria em 40%, além dos 4% já concedidos pelo governo numa medida provisória. O aumento seria dado já a partir de março de 2013, e não mais no segundo semestre do ano que vem.

O custo total, para os próximos três anos, seria de R$ 4,2 bilhões e não mais de R$ 3,9 bilhões, como previsto na proposta anterior, rejeitada pelos professores.

Os novos índices foram anunciados no intervalo da reunião de representantes dos professores com a Secretaria de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento e a Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação.

Segundo Rolim de Oliveira, a proposta agradou a categoria, mas ela ainda deverá ser votada e aprovada pelas assembleias-gerais das universidades federais para ser aceita e a greve acabar. De acordo com o sindicalista, todas as categorias de professores do ensino superior serão contempladas. "O governo atendeu integralmente o nosso pleito de que ninguém receba menos de 25% de aumento", disse.

Pela nova proposta, o salário inicial, por exemplo, de um professor com doutorado e de dedicação exclusiva passará nos próximos 3 anos dos atuais R$ 7.627,02 para R$ 8.639,50. Já o salário inidicial dos professores iniciantes com mestrado e dedicação de 40 horas saltará de R$ 3.137,18 para R$ 3.799,70. A remuneração do professor titular com dedicação exclusiva ? aqueles que estão no topo da carreira ? passará de R$ 11,8 mil para R$ 17,1 mil.

O governo propôs também diminuir a quantidade de níveis da carreira de professor universitário, de 17 para 13, alegando que assim facilitaria a progressão dentro da profissão.

No último dia 13 de julho, o governo apresentou proposta de reajuste de 12% a 40% (mais 4% já aprovados em medida provisória), a serem recebidos nos meses de junho de 2013, 2014 e 2015, que foi rejeitada pelos grevistas. A proposta de hoje, além de elevar o piso para 25%, antecipa os pagamentos para os meses de março.

O incremento significará impacto de R$ 4,2 bilhões no orçamento do governo, 7,7% maior que o previsto na proposta inicial. O reajuste soma-se ao aumento de 4% concedido pelo governo por meio de medida provisória retroativo a março, ao longo dos próximos anos.

A greve foi iniciada em 17 de maio e hoje atinge todas as instituições, com exceção da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e da Universidade Federal de Itajubá (Unifei).

Oliveira afirmou que o conselho do Proifes analisará a proposta e levará uma indicação para as bases, que deverão fazer assembleias-gerais. A resposta ao governo, disse, deverá ser dada até a próxima semana. "Isso vai depender da avaliação que primeiro nosso conselho fará e obviamente nós faremos uma indicação as bases", explicou o sindicalista.

Fonte: G1