Sofrendo com seca no Sul do Piauí, agricultores vão pedir água e comida

Todos os municípios da macrorregião de São Raimundo Nonato estarão participando de um protesto.

Mais de mil trabalhadores rurais de 20 municípios da região de São Raimundo Nonato vão hoje às ruas pedir água, comida e cobrar políticas públicas emergenciais para combater os efeitos da seca no Sul do Estado, onde a situação é mais grave. Denominada marcha do ?Grito do Semiárido?, a concentração dos agricultores será às 7 horas, na Avenida dos Estudantes, no centro da cidade.



Em seguida, às 8 horas, tem início a caminhada e mobilização pelas principais ruas com paradas em pontos estratégicos. ?Iremos parar primeiramente em frente aos bancos. Estes oferecem linha de crédito emergencial, só que é inviável aos agricultores, pois eles não estão tendo renda e, consequentemente, não têm como pagar,?, afirma Neuma Borges, uma das coordenadoras do ato.

Durante a caminhada ainda terá parada em frente a prefeitura e, logo depois, uma audiência será realizada com a presença de promotores, Defesa Civil, Conab, Superintendência do Banco do Nordeste e de agricultores. Além disso, já está agendado para o próximo dia 7 de setembro um segundo momento de mobilização dos agricultores. Eles irão aproveitar o momento do tradicional desfile de 7 de Setembro para realizarem o ?Grito dos Excluídos?.

Segundo ele, todos os municípios da macrorregião de São Raimundo Nonato estarão participando do evento e pedindo que os problemas da seca sejam solucionados.

A marcha é organizada por movimentos populares e organizações que formam o Fórum Territorial da Sociedade Civil sobre Estiagem. O problema da estiagem na região e no Piauí vem se agravando. Não é de hoje que a população e os animais vêm sofrendo com a falta de água e comida.

?Estamos esperando respostas do governo. Os carros-pipas são insuficientes, queremos que a Conab faça a distribuição de sementes, que sejam construídos mais cisternas, açudes, poços e que as prefeituras vejam a liberação do garantia safra. A migração já é intensa no município por conta da seca e é preciso que políticas urgentes sejam realizadas?, conclui a coordenadora.

Seca pode se agravar este mês no semiárido

Depois da segunda semana de agosto a situação da seca no Piauí, principalmente na região do semiárido, deve piorar. Por conta das altas temperaturas que devem ser registradas neste mês e da falta de chuva, a população piauiense que vem sofrendo com a estiagem deve ter ainda mais problemas. Em todo o Estado, 155 municípios tiveram decreto de situação de emergência reconhecido pelo Governo Federal e o estimado é que mais de 1 milhão de pessoas sejam atingidas pela seca.

?Já neste mês devem ser contratados mais carros-pipas para atender a população em consequência das altas temperaturas. As equipes se deslocarão para o interior na próxima semana para verificar a situação e apontar a necessidade de carros que o município apresenta. Só depois da visita a Defesa Civil saberá o número de carros a ser contratado ?, explica o diretor da Secretaria Estadual da Defesa Civil, Jerry Herbert.

A Defesa Civil está fazendo um cadastro de carros-pipa. Caso um veículo apresente defeito, outro carro já estará à disposição. Para se inscreverem, os proprietários de carros-pipa podem ir até a Defesa Civil para cadastrarem seus veículos. ?Essa semana foi iniciado o pagamento dos carros-pipa que estão fazendo o atendimento à população castigada pela seca. Até o momento foram contratados 200 carros-pipas?, acrescenta Jerry.

Por conta do período eleitoral, a Defesa Civil vem intensificando as fiscalizações para que não exista uma distribuição política da água. ?Em algumas cidades, como Simplício Mendes, São Raimundo Nonato e Fronteiras, já existem fiscais. Em outras localidades, as equipes são enviadas para realizarem esse trabalho.

Fonte: Aline Damasceno