"Sou uma preta LACRADORA", diz estudante ao responder ofensas

Lorena responde candidata que a ofendeu em postagem

“Sou uma preta LACRADORA, inteligente e cotista que entrou em Letras no seu lugar”, respondeu a nova universitária Lorena Cristina, 20, em uma postagem discriminatória de outra candidata que não conseguiu uma vaga na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Estudante respondeu postagem discriminatória
Estudante respondeu postagem discriminatória

"Para o curso de Letras na UFMG há 260 vagas. Fiquei na posição 239. Mas não vou entrar por quê? Por causa dessa m* de cota", foi a postagem que causou polêmica.

A publicação foi feita na terça-feira, 19, no dia seguinte à divulgação pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu) da lista de aprovados nas universidades públicas do Brasil.

A candidata que não conseguiu colocação na lista dos aprovados da UFMG atribuiu a “não aprovação” à Lei n° 12.711/12, Lei de Cotas, que destina 50% vagas nos cursos de graduação a estudantes de escolas públicas. Desta reserva, um percentual ainda é destinado a candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas e/ou de baixa renda.

Em seu perfil do facebook, Lorena explicou o motivo do “desabafo”. "Desculpem-me por não aceitar nenhum filho de burguês apontando o dedo para mim e dizendo que sua não aprovação foi culpa minha. Não foi. A universidade pública deveria atender muito mais pessoas como eu. Teoricamente, ela nasceu para isso. Eu ocupo este lugar agora. E ele será tão meu quanto de vocês”, desabafou a estudante.

A publicação feita pela candidata que não conseguiu aprovação foi apagada na manhã desta quarta-feira, 20.

Fonte: O Povo on line