Strans terá que adequar o transporte eficiente disponibilizado em Teresina

As modificações serão realizadas através de um ofício que será encaminhado pela ADEFT para que sejam colocadas duas barras nos veículos

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) terá que realizar algumas adaptações nos veículos que fazem o transporte eficiente em Teresina.

A solicitação será feita através de ofício, pela Associação dos Deficientes Físicos de Teresina (ADEFT) e foi resultado de decisão tomada durante audiência que aconteceu na Ordem dos Advogados do Brasil Secção Piauí (OAB-PI), na última terça-feira (25).

Essas adaptações consistem na colocação de duas barras nos veículos, uma frontal e outra lateral. A presidente da ADEFT, Amparo Sousa, afirma que elas são extremamente necessárias para manter a segurança dos cadeirantes usuários do transporte eficiente.

?Quando o cadeirante entra no veículo ele sente uma sensação muito grande de insegurança, pois não tem em que se apoiar, não tem nada para segurar?, disse.

Membros da Strans participaram da audiência e já garantiram que cumpriram sua parte no acordo. Além das barras, eles se comprometeram a concluir o treinamento dos profissionais que ficarão responsáveis por este transporte.

Além disso, o transporte eficiente já está sendo incluído na licitação para contratação das linhas de ônibus que prestarão serviços na capital.

?Depois dos prazos dados, nós realizaremos uma nova reunião, para que as entidades se pronunciem e para sabermos se o acordo está sendo cumprido pelas partes?, disse Justina Soares, da Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência da OAB-PI.

As Associações que representam os usuários do transporte eficiente em Teresina estão insatisfeitas com o não cumprimento, por parte da Prefeitura, do acordo judicial firmado em 2 de junho de 2011, na 4ª Vara Federal do Trabalho de Teresina-PI.

Segundo o acordo, a Prefeitura deveria garantir a ampliação da prestação do serviço de transporte eficiente, mediante a aquisição de novos veículos devidamente adequados ao transporte de pessoas com deficiência, especialmente, aos usuários de cadeiras de rodas, através de empresas integrantes do Sistema Municipal de Transportes Públicos.

De acordo com as associações, em vez de cumprir o acordo, a Prefeitura Municipal, através da Strans, está encaminhando os novos veículos para outras empresas, fora do sistema, para executarem o serviço com motoristas que não possuem qualificação específica para o transporte de pessoas com deficiência.

Fonte: Pollyana Carvalho