Stranz faz novas mudanças no trânsito da zona Leste de Teresina

Várias mudanças implementadas no trânsito da zona Leste

Após as recentes mudanças nos sentidos de ruas como a Saba Said, Professor Madeira e Dirce de Oliveira, ou intervenções em cruzamentos como os da Avenida Presidente Kennedy com a Dom Severino, a zona Leste de Teresina vai sofrer mais mudanças. Agora, não será possível dobrar à esquerda para acessar a Avenida Homero Castelo Branco pela Avenida Senador Arêa Leão.


Image title

Para a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (STRANS), a medida vai facilitar o trânsito daquela área, que fica localizada no coração do bairro Jockey. O cruzamento destas duas avenidas já possuía um histórico de grandes congestionamentos.

Segundo José Falcão, diretor de trânsito viário da STRANS, as medidas tomadas eram mais que necessárias para diminuir o tempo em trânsito. “É o mesmo que está sendo feito nos outros cruzamentos. 

Agora a Homero com a Senador Arêa Leão vai reduzir o tempo de espera no sinal vermelho, impedindo o motorista de dobrar à esquerda”, explica.

Agora, o trabalho será para orientar os condutores a fazer o retorno utilizando ruas auxiliares dos bairros. “Estamos orientando o condutor a fazer o retorno pelo quarteirão, por exemplo”, aponta José Falcão.

Segundo Falcão, assim como ocorreu em outros cruzamentos, os congestionamentos naquele cruzamento vão diminuir drasticamente. “A gente espera que tenha uma redução de mais de 30 segundos em cada tempo do sinal. 

O da Homero com a Jockey era cerca de um minuto por tempo de sinal. Essa medida reduz o congestionamento, pois ali, na Senador Arêa Leão com a Homero, é ponto crítico”, esclarece Falcão.

Ambulantes reivindicam 50 segundos de sinal 

Os condutores podem até gostar da ideia de passar menos tempo no trânsito, como promete a STRANS. Mas os ambulantes que há mais de 10 anos comercializam seus produtos no cruzamento da Avenida Homero Castelo Branco com a Avenida Senador Arêa Leão apontam um atentado ao sustento deles: é que a diminuição do tempo do sinal do encontro das vias vai impedir o comércio do local, porque não dá para vender nada em 30 segundos.

"É uma 'molecagem' isso que querem fazer com a gente. Se querem mudar o sinal, que nos deem um emprego!", denuncia Raimundinha Alves, que vende 10 atas - ou fruta-do-conde para quem não é do Piauí - por 10 reais, no cruzamento. 

Quem também reclama é Antônio Francisco, que comercializa castanhas. "Esse tempo é muito pouco, não dá para a gente vender nada, queremos trabalhar com os 50 segundos de antes", reclama.

Esses comerciantes já possuem uma clientela que, inclusive, estão parando os carros nas laterais da rua para conseguir comprar os produtos comercializados por pessoas como Antônio e Raimundinha das atas, como é conhecida.

Galeria transborda e vira um rio no Jockey 

Embora recentemente a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) tenha realizado o asfaltamento de diversas ruas, muitas vias do Jockey estão prejudicadas. 

Na tarde de ontem (27), no menor dos chuviscos, diversos pontos alagaram e a galeria existente na Rua Eustáquio Portela, também no bairro Jockey, transbordou e fez um verdadeiro rio por todo o percurso da via. 

Esta galeria, que historicamente apresenta transtornos para a população, é uma demanda antiga da comunidade do entorno para com a Prefeitura de Teresina.

Antes do transbordo, a área que compreende a galeria já estava isolada em razão de serviços referentes à interligação da estrutura existente com a construção das galerias da zona Leste. 

"Aquilo funciona para a captação de águas de alagamentos, e isolamos a área porque não podemos mexer nela e não queremos prejudicar a população", declara José Alberto Guimarães, gerente de Obras da Superintendência de Desenvolvimento Urbano da zonal Leste (SDU/Leste).

O gerente afirma que os problemas serão sanados com a interligação com o grande conjunto de galerias, que promete beneficiar bairros como o São Cristóvão, Horto, Morada do Sol, Fátima e outros, que já possuem folclóricos alagamentos na capital. "As duas serão adequadas para resolver a questão", finaliza Guimarães.

Pegar ônibus na parada existente, na Avenida Dom Severino, que fica bem na frente de uma lanchonete, no encontro do Jockey com o Horto, está muito difícil. 

É que o trecho da via, que compreende o percurso da Avenida que cruza com as ruas Saba Said e Professor Madeira, sempre alaga, mesmo com chuvas fracas como as de ontem (27), e os condutores de educação duvidosa acabam dando um verdadeiro banho de lama em quem aguarda pela condução.

Mas todos os condutores - educados ou não - também são prejudicados com os buracos existentes neste trecho. Com o alagamento da chuva, eles se transformam em armadilhas para carros e motos, que não raro rasgam pneus por lá.

Fonte: Pollyana Carvalho e Lucrécio Arrais