Suspeito de esquartejar rapaz em SP nega relação com ele e diz que odeia homossexuais

Homem que tirou foto antes de esquartejar admite ódio por gays


Suspeito de ter matado Thomas Sanches, de 30 anos, Gleydson Morgray negou que tenha premeditado o esquartejamento da vítima. Em depoimento à polícia de Cananéia, no interior de São Paulo, Gleydson rechaçou a possibilidade de um envolvimento homoafetivo com Thomas, negando ser homossexual.

Para a polícia, o suspeito, que se declarou homofóbico, alegou que Thomas teria tentado uma aproximação, e assim, gerado uma discussão entre ambos. Segundo Gleydson, ele teria empurrado Thomas, depois do desentendimento, com a vítima batendo a cabeça e vindo a óbito. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Cananéia deve apontar se a versão apresentada pelo suspeito é verdadeira.

Com isso, Gleydson teria se desesperado e, nervoso, tentado ocultar o corpo de Thomas. A polícia acredita ainda que uma das intenções do suspeito, após esquartejar o corpo, era preparar uma mala para jogá-lo no mar. No entanto, Gleydson foi localizado e preso antes disso acontecer.

Polícia tenta traçar perfil de suspeito

Suspeito de ter matado Thomas Sanches, de 30 anos, Gleydson Morgray impressionou a polícia pela frieza com a qual contou a forma como esquartejou a vítima. Além disso, o perfil de Gleydson em uma rede social aponta características que deixaram a investigação intrigada, sobre o crime que foi descoberto no sábado (22), em Cananéia, no interior de São Paulo. A conta dele no Facebook apresenta várias fotos de mulheres nuas.

No entanto, de acordo com a polícia, a primeira hipótese levantada é de que ambos mantiveram um relacionamento homoafetivo.

Além disso, na mesma rede social, Gleydson também se mostra um fã da série televisiva norte-americana 'Dexter', que mostra um assassino em série que mata fugitivos da polícia. O suspeito demonstra ainda ser interessado em filmes de terror. Todas essas informações também podem ajudar a polícia a traçar um perfil do comportamento de Gleydson.

Segundo pessoas próximas à vítima, na madrugada de sexta-feira (21), Thomas conversava com Gleydson e um grupo de amigos, em uma praça no centro de Cananéia. Em um dado momento, os dois saíram juntos e Thomas se despediu, dizendo que não o esperassem.

O velório da vítima foi realizado neste domingo (23) e o enterro na manhã desta segunda-feira (24), no Cemitério Municipal de Cananéia.


Suspeito e vítima tiraram foto juntos

O homem suspeito de ter matado e esquartejado um rapaz em Cananéia, no Vale do Ribeira, interior de São Paulo, tirou uma foto junto com a vítima momentos antes de se afastar com ela do grupo de amigos com quem conversavam. A imagem foi registrada na madrugada de quinta (20) para sexta-feira (21), última vez que Thomas Sanches, de 30 anos, foi visto com vida. Seu corpo foi encontrado esquartejado neste sábado (22), em frente a um hotel da cidade. O suspeito pelo crime, Gleydson Morgray, está preso. A polícia suspeita que eles tiveram um relacionamento homoafetivo.

Os colegas estranharam o sumiço de Thomas e a família já vinha tentando encontrá-lo desde então, mas sem sucesso. No entanto, na manhã de sábado, um amigo de Thomas acionou a Polícia Militar e foi com as autoridades até a casa de Gleydson. No local, foi encontrado um lençol coberto de sangue. O suspeito ainda tentou fugir, mas foi detido e acabou confessando o crime. O corpo foi localizado pela polícia em frente a um hotel na Avenida Independência.

Gleydson não era muito conhecido em Cananéia, pois tinha se mudado apenas há três meses para o município, vindo de Guarulhos, na Grande São Paulo. A polícia destaca que ele não possuía antecedentes criminais. O caso segue sendo investigado pela equipe da Delegacia Sede de Cananéia.


Fonte: g1