Suzanne von Richthofen tem volta antecipada por mentir para Justiça

A detenta informou a Justiça endereço errado de onde estaria

Suzanne von Richthofen, recebeu indulto no dia das mães, mas teve sua volta antecipada, na maduraga desta segunda-feira por ter mentido para Justiça. Ele forneceu um endereço falso às autoridades e ao retornar foi para cela solitária devido a infração cometida.

A jovem não foi encontrada no endereço informado, na rua Coronel Ludovico Hmem de Goes, em Angatuba, interior de São Paulo. Ela foi encontrada na mesma cidade, porém em outro endereço. Se não tivesse mentido, Suzanne von Richthofen só voltaria para o presídio na próxima terça-feira (10) às 18h.

Suzanne cumpre pena na Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletir, a P1 feminina de Tremembé (SP), após ter sido condenada a 39 anos de prisão pela morte dos seus pais. 

Desde outubro do ano passado a jovem está em regime semiaberto, e por isso tem direito a cinco saídas temporárias por ano, sendo Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia das Crianças, além de Natal e Ano Novo.

A detenta terá sua conduta apurada, vai ficar em observação por tempo indeterminado e deverá responder a um processo administrativo.


Suzanne von Richthofen
Suzanne von Richthofen


O Ministério Público vai receber um relatório após apuração da conduta de Suzane e depois enviará parecerà Vara de Execuções Criminais (VEC) que é o que é o órgão responsável pelo cumprimento das penas das presas em Tremembé.

O promotor do Ministério Público em Taubaté, Paulo de Palma, explicou como será a avaliação do órgão. "Precisamos entender se pode ser considerado crime de falsidade ideológica, por ela ter colocado um endereço onde ela não estava. Nesse caso, [sob esse entendimento] caberia a regressão da pena [ao regime fechado]. Se não houver, cabe apenas a revogação da saída temporária", disse. O período da suspensão das saídas temporárias pode ser por prazo determinado.

A SAP confirmou em nota, enviada na manhã desta segunda-feira, as possíveis penalidades informadas pela promotoria. Não há prazo para a decisão sobre as penalidades, que serão impostas pela Justiça. A presa será ouvida pela juíza Sueli Zeraik, da VEC.

Fonte: Com informações do G1