Após 11 anos, estudo diz que celular não causa nenhum risco para a saúde

O estudo também não encontrou nenhuma evidência de que a exposição às emissões de estações de base

Não há nenhuma ligação entre telefones celulares e quaisquer problemas de saúde, conclui um relatório depois de mais de uma década.


Após 11 anos de pesquisa, estudo afirma que celulares não causam nenhum risco à saúde

O estudo também não encontrou nenhuma evidência de que a exposição às emissões de estações de base durante a gravidez aumenta o risco de leucemia infantil.

O programa de Mobile Telecommunications and Health Research foi o maior do Reino Unido a olhar para os possíveis riscos para a saúde associados à tecnologia de telefonia móvel.

Professor David Coggon, presidente do MTHR, disse: "Quando o programa MTHR foi definido pela primeira vez, havia muitas incertezas científicas sobre os possíveis riscos para a saúde a partir de telefones celulares e tecnologias relacionadas?.

"Este programa, independente, agora está completo, e apesar da exaustiva pesquisa, não encontraram nenhuma evidência de riscos para a saúde das ondas de rádio produzidas por telefones celulares ou estações base.?

"Graças à pesquisa realizada dentro do programa, agora podemos ser muito mais confiantes sobre a segurança dos modernos sistemas de telecomunicações". O programa de 11 anos foi financiado pelo valor de R$ 54 milhões conjuntamente pelo governo do Reino Unido e pela indústria de telecomunicações.

Depois de avaliar riscos para a saúde a partir de campos eletromagnéticos de baixo nível gerados por transmissores de rádio, pesquisadores da Comissão de Peritos da Noruega não encontraram nenhuma evidência científica de que a exposição representa um risco para a saúde. Estes campos eletromagnéticos são encontrados em torno de telefones celulares, telefones sem fio e redes, estações rádio-base de telefonia móvel, transmissores de radiodifusão e outros equipamentos de comunicação.

A mais recente pesquisa também sustenta um estudo de 2011 do Imperial College de Londres, que descobriu que viver perto de um mastro telemóvel não aumenta a chance de uma criança de desenvolver um tumor cerebral ou um tumor do sistema nervoso central.

Autor do estudo, professor Paul Elliott , do Imperial College London, disse: "As pessoas estão preocupadas em viver perto de um mastro do telefone móvel, pois isso poderia afetar a saúde de seus filhos. Olhamos para esta questão em relação ao risco de câncer em crianças pequenas. Nós não encontramos nenhum padrão para sugerir que os filhos de mães que vivem perto de uma estação de base durante a gravidez tiveram um risco maior de desenvolver câncer do que aqueles que viviam em outros lugares".

Apesar de todas essas evidências, algumas pessoas podem ainda não se convencerem.

Em 2011, a Organização Mundial de Saúde alertou os usuários para limitarem o uso telefone móvel porque dispositivos como eles poderiam causar câncer. Os comentários foram feitos depois de uma pesquisa anterior que sugeriu que, apenas meia hora de uso do telefone celular por dia, poderia aumentar o risco de um tumor no cérebro em 40%.

Fonte: Jornal Ciência