Apple anuncia linha de produtos iPad Air 2, iPad mini 3 e iMac com tela Retina

A palavra do dia foi Continuidade, nome que a companhia escolheu para batizar as novas funcionalidades de conexão entre seus smartphones, computadores e tablets.

A Apple apresentou, nesta quinta-feira (16), sua "mais poderosa linha de produtos de todos os tempos", segundo o presidente da empresa, Tim Cook. Com destaque para o superfino iPad Air 2 e o gigante iMac com tela Retina 5K, que já chega custando a partir de R$ 13 mil no Brasil, a empresa aposta na integração entre seus aparelhos e sistemas operacionais para atrair mais usuários de um gadget para o outro.


A palavra do dia foi Continuidade, nome que a companhia escolheu para batizar as novas funcionalidades de conexão entre seus smartphones, computadores e tablets. E são muitas. Além disso, é possível perceber a intenção da empresa de oferecer gadgets de todos os tamanhos: relógios, celulares, tablets, laptops e computadores, com telas das mais variadas dimensões.

E se os números das vendas de todos os produtos já são ótimos, estimular o consumo de todos eles simultaneamente, criando atrativos para quem compra mais de um aparelho da empresa, é uma estratégia perfeita. A se julgar pelo sucesso atual, e pelas grandes novidades apresentadas, outra vez, parece que a Apple acertou em cheio.

OS X Yosemite

Depois de uma longa introdução, Craig Federighi vice-presidente de engenharia de software da Apple, começou a anunciar novidades. Primeiro, o anúncio do iCloud Photo Library, que será um serviço de armazenamento de fotos na nuvem com 5 GB gratuitos para o usuário do iOS, que será lançado com o iOS 8.1, também confirmado agora pela empresa. Depois, um dos momentos mais aguardados: a confirmação da versão final do OS X Yosemite, para Macs.

Federighi fez uma pequena recapitulação de novidades já conhecidas do sistema, como novo layout, melhorias nas buscas e maior velocidade do Safari. Além disso, acrescentou que mais de um milhão de pessoas se inscreveram para a versão beta do sistema. Uma novidade interessante é que o navegador da Apple dará aos usuários maior economia de energia no Yosemite, além de oferecer um carregamento muito mais rápido de páginas.

Os aplicativos básicos do Mac OS X são todos atualizados no Yosemite: Mensagens, iTunes, iWork, etc. Todos com o novo layout mais limpo (e parecido com o do iOS). A apresentação foi bem rápida, somente com algumas pinceladas nas novidades. Quem ganhou destaque também foi o iCloud Drive, que permite salvar, ver e editar seus arquivos em qualquer lugar a partir da nuvem, e a sincronização de dados e até configurações entre iOS e Mac OS.

Muita coisa que foi mostrada já era conhecida pelo público. Afinal, a versão de testes do sistema está disponível há cerca de um mês para todos que têm um aparelho com o Mac OS. Mas as opções de sincronização, como começar um trabalho no iPhone e terminar no iPad ou salvar uma foto no iPhone como favorita e isso já aparecer no iPad foram demonstrações feitas no evento e que agradaram à platéia. Assim como a de realizar uma ligação do iPhone e ela aparecer no Mac.

Para finalizar, datas: o Yosemite está disponível a partir desta quinta-feira. Gratuitamente para os usuários do Mac OS X. O iOS 8.1, por sua vez, será liberado somente na próxima segunda-feira.

iPad Air 2

Mas o que todos aguardavam ansiosamente era hardware, não software. E então, quando Tim Cook retornou ao palco, foi para falar sobre o iPad. Segundo ele, o tablet da Apple "está em todo lugar". São 225 milhões de iPads vendidos, superando as vendas de qualquer PC, e talvez o mais importante: com 100% de satisfação do consumidor (número conquistado com o iPad mini Retina).

O iPad Air 2 foi apresentado, no palco, na cor dourada, após Tim Cook exibir um vídeo de um lápis sendo cortado por um laser, para indicar que algo que é fino pode ficar com ainda menos espessura - justamente o caso do novo tablet, que terá somente 6,1 mm. Apenas para comparação, o iPad Air original tem 7,5 mm. Ou seja, diminuiu-se em 18% sua lateral.

Com Phil Schiller, vice-presidente da Apple no palco, foi exibida uma imagem curiosa: dois iPads Air 2 colocados um em cima do outro são mais finos do que o iPad original. O executivo ainda falou das novidades no display, que mantém o tamanho de 9,7 polegadas: a tela anti-reflectiva, que reduz reflexos em 56%, LCD, vidro e sensor de toque passam a ser unidos opticamente, sem brechas de ar.

No processamento, a Apple não quis repetir o chip usado no iPhone 6, então trouxe uma versão atualizada dele: A8X, com arquitetura de 64 bits, processamento 40% mais rápido do que seu antecessor e 12x mais rápido do que o original, além de performance gráfica até 180x mais rápida do que a do primeiro iPad. O coprocessador M8 está presente, assim como nos iPhones, e outra informação crucial: a bateria do tablet dura 10 horas.

O novo iPad Air também terá uma câmera atualizada. A nova iSight tem 8 megapixels, 1.12 micron pixels, abertura f2.4 e filmagens em 1080p. O foco na fotografia e no vídeo foi grande na apresentação, com fotos tiradas usando o aparelho sendo exibidas nos telões. Além das imagens comuns, os usuários poderão fazer as panorâmicas com até 43 megapixels. As timelapses também estão disponíveis.

A câmera frontal parece estar melhor, com cliques em HDR para fotos e vídeos, selfies em disparo contínuo, sensor modificado com abertura maior (f2.2) e captação de até 81% mais luz. Vídeos em câmera lenta, sucesso no iPhone, também estão no novo iPad, mas só na câmera traseira. Enfim, a fotografia e a filmagem chegaram a um nível de alta qualidade no tablet da Apple

Melhorias na conectividade WiFi, mais bandas para conectar-se via 4G, TouchID e Apple Pay são outros recursos que foram confirmados no iPad Air 2. De certa forma, a fabricante deixou o iPad ainda mais próximo de ser um "iPhone gigante" - tirando o fato de ele não fazer ligações, claro

Depois de demonstrações de edições de fotos e vídeos no novo iPad, Schiller deu um "geral" das novidades do aparelho e anunciou seus preços: a partir de US$ 499 na versão só com Wi-Fi e US$ 629 no modelo com 4G. A edição com 32 GB do tablet foi descontinuada, com as opções sendo apenas 16 GB, 64 GB e 128 GB. E ele será comercializado nas cores prata, cinza espacial e dourada.

A pré-venda começa amanhã, e as entregas serão iniciadas no fim da próxima semana nos Estados Unidos. Além disso, sem muito alarde, o executivo anunciou também o iPad mini 3, com preços a partir de US$ 399. O gadget não teve nenhuma explicação detalhada sobre funcionalidades. Foi confirmada ainda, como de costume, uma baixa nos preços dos produtos mais antigos: iPad Air cai para US$ 399 o mais barato, enquanto o iPad Mini 2 fica em US$ 299.

E engana-se quem pensa que acabou. A Apple também apresentou novos Macs. A começar com um estonteante e enorme iMac de 27 polegadas com display Retina de resolução 5210 x 2880 pixels. "Nunca houve um display de desktop como esse", garantiu Schiller, dizendo que ele é chamado de "Retina 5K", com 14,7 milhões de pixels e "é o display com maior resolução do mundo".

A tela do novo iMac tem 7 vezes mais pixels do que uma TV HD e 67% mais do que uma 4K. Tudo isso com somente 5mm de espessura. E o mais interessante: esta evolução não significa mais consumo de energia. Pelo contrário, ele é 30% mais econômico do que o seu antecessor neste aspecto. Um vídeo com os engenheiros que trabalharam na produção do aparelho falando sobre como foi criá-lo foi exibido.

Depois de muito falar do display, hora das especificações: processador Intel i5 de 3.5 GHz (atualizável até um i7 de 4 GHz), placa gráfica AMD Radeon R9 (com processamento de 3.5 teraflops), Thunderbolt 2, Fusion Drive de 1 TB e 8 GB de memória RAM.

Curiosamente, o preço do aparelho é "somente" US$ 2499 - muito mais barato do que diversas TVs com 4K, e bem mais em conta do que, provavelmente, muita gente esperava. No Brasil, o aparelho já está sendo vendido no site da Apple por valores a partir de R$ 13,9 mil.

Para os modelos menores, sem o Retina 5K, de 21.5 e 27 polegadas, respectivamente, os preços são de US$ 1099 e US$ 1799.

Um novo Mac Mini, com processadores Intel Core de quarta geração, placa Intel Iris e HD Graphics 500, armazenamento flash PCIe, WiFi e duas portas Thunderbolt 2.0, também foi anunciado - mas sem muito alarde, como o iPad Mini 3. Ele, assim como os iMacs atualizados, já pode ser comprado a partir de hoje no site da Apple nos Estados Unidos.

Com isso, a Apple parece ter fechado sua linha de produtos para 2014 em alta. Depois do iPhone 6 ter feito bastante barulho, foi a vez da empresa mostrar que ainda tem como surpreender com o iPad e os Macs também. "Esta é a linha de produtos mais forte que a Apple já teve", declarou Tim Cook.

Fonte: Tech tudo