"Doença" atinge quem não larga do celular nem para dormir;veja

"Doença" atinge quem não larga do celular nem para dormir;veja

Uma pesquisa da Villanova University, nos Estados Unidos, revelou que é cada vez mais comum jovens responderem mensagens enquanto dormem.

Você é do tipo que não larga o celular nem na hora de dormir e acorda a qualquer som de notificação? Uma pesquisa da Villanova University, nos Estados Unidos, revelou que é cada vez mais comum jovens responderem mensagens enquanto dormem. O texto pode não fazer sentindo ou a pessoa sequer lembra-se de tê-lo enviado, mas o "Sleep Texting" já é um fenômeno entre a nova geração de universitários.

A coordenadora do estudo, Elizabeth Dowdell, ficou intrigada com o relato de uma aluna que disse ter o hábito de acordar para responder mensagens de madrugada. A professora selecionou 300 estudantes e os entrevistou para ver se esse comportamento era um padrão. Cerca de 35% dos alunos disseram já ter mandado mensagens dormindo e 50% confessaram que o smartphone já atrapalhou o sono deles.

Para o especialista no EOS Sleep Centers, Josh Werber, o mais preocupante são os jovens que acordam para responder notificações: ?Quando não estamos totalmente entregues ao sono, não descansamos o suficiente e isso pode afetar nossas habilidades cognitivas?, explica.

Tem alguma dúvida sobre notificações de smartphones? Faça uma pergunta no Fórum do TechTudo!

Outra pesquisa, do Pew Internet & American Life Project, indica que os adolescentes nos Estados Unidos passam cerca de uma hora e meia por dia trocando mensagens pelo celular. Um em cada três jovens manda mais de 100 mensagens diárias. Pelo menos 4 em cada 5 estudantes dormem com o celular ao lado da cama.

Para aqueles que já perderam o sono por causa do smartphone, Dowdell recomenda deixá-lo longe da cama, tirar o som ou mesmo desligar. ?Pelo menos no fim do dia, você deve se permitir ter uma boa noite de sono. As mensagens não precisam ser respondidas imediatamente. Não precisamos ficar conectados 24 horas por dia?, argumenta a professora.

Fonte: techtudo