Em isolamento, irmãos relatam via Twitter espera por transplante

Em isolamento, irmãos relatam via Twitter espera por transplante

Com estilo bem-humorado, espanhóis Javier e Borja já têm 10 mil seguidores na rede social e estão recebendo mensagens de apoio de diversos países.

Isolados em uma ala especial do Hospital Universitário Central de Astúrias, na cidade espanhola de Oviedo, os irmãos Javier e Borja Alonso, de 18 e 22 anos, estão comovendo internautas de todo o mundo ao usar a rede social Twitter para relatar a espera por uma operação de transplante.

Javier precisa de um transplante de medula para curar uma aplasia medular, problema do qual sofre há três anos e que implica em deficiências na produção de células do sangue, como eritrócitos, leucócitos e plaquetas.

Um período de isolamento de aproximadamente um mês é necessário para reduzir o risco de infecção da operação. Javier podia ser acompanhado apenas por um familiar ? e Borja, um de seus seis irmãos, se prontificou para a tarefa.

De dentro do hospital, os dois criaram uma conta no Twitter (@enaislamiento) inicialmente para informar os parentes sobre os preparativos para a cirurgia. A conta, porém, logo começou a ser acompanhada por outros internautas e os dois irmãos passaram a receber mensagens de apoio de todas as partes do globo.

Em apenas seis dias, eles conseguiram mais de 10 mil seguidores de diversos países e não demorou para a história atrair a atenção também dos meios de comunicação espanhóis.

Dia a dia

?Recebemos mensagens da China, Marrocos, México e República Checa?, contou Borja. Na internet, apesar da apreensão com a cirurgia, os dois relatam o dia a dia do hospital em um estilo bem-humorado. Falam sobre a comida e os inconvenientes de estarem isolados, além de fazerem brincadeiras com os enfermeiros.

Também contam passo a passo os procedimentos necessários para a cirurgia. Na sexta-feira (9), por exemplo, outros dois irmãos de Javier e Borja foram internados no mesmo hospital. Federico Alonso, de 20 anos, foi escolhido para ser o doador e teve de ser internado para extrair a medula. E Miguel Alonso ingressou com o irmão no hospital como acompanhante.

?Já somos quatro irmãos no hospital. Isolados. Estamos em comunicação por meio das enfermeiras?, escreveu Borja. A família e as namoradas dos dois irmãos não podem entrar em seu quarto, mas todos os dias vãos ao hospital para acenar para eles por uma janela. Além de navegar na internet, eles leem, jogam videogame e assistem a filmes para passar o tempo.

Fonte: G1