Menino de 12 anos cria aplicativo para calcular notas de colegas

Menino de 12 anos cria aplicativo para calcular notas de colegas

Aluno do 7º ano, Natan Gorin desenvolveu o aplicativo para ajudar os colegas a calcular os pontos necessários para passar de ano

Um estudante de apenas 12 anos desenvolveu um aplicativo que calcula as notas necessárias pelos alunos para garantir a aprovação de ano. O sistema criado por Natan Gorin, que estuda no 7º ano de uma escola particular do Rio de Janeiro, já alcançou mais de 28 mil downloads no site da Apple Store em pouco mais de dois meses.

A ideia de criar o iBoletim surgiu no final do ano passado, em meio à correria dos colegas para garantir a aprovação de ano. "Todo mundo me perguntava quantos pontos era preciso para passar de ano. É um cálculo simples, e eu sou considerado bom em matemática, mas como eram muitos colegas e são 15 disciplinas, acabava dando trabalho. Para facilitar, eu resolvi criar o aplicativo", disse o adolescente ao afirmar que os amigos aprovaram a ideia.

Durante as férias, ele aprimorou o sistema até conseguir publicar na loja virtual da Apple para download gratuito. O aplicativo, disponível para iPad, iPod e iPhone, funciona como uma espécie de gerenciador das notas, já que o aluno pode inserir o desempenho em cada disciplina e verificar quantos pontos faltam para passar de ano. O iBoletim permite escolher o sistema de notas (de 0 à 10 ou de 0 à 100), o tipo e o número de períodos e ainda o número de matérias.

Apaixonado por matemática e tecnologia, Natan contou que aprendeu a linguagem de programação sozinho e que desde 2011 tinha vontade de desenvolver um aplicativo. A próxima etapa será disponibilizar a ferramenta para o sistema Android, o que deve acontecer dentro de um mês.

O garoto conta ainda que já está trabalhando em um segundo aplicativo, mas prefere não dar detalhes por enquanto. "É para não copiarem a ideia", disse em entrevista por telefone. Sobre os planos para o futuro, ele afirmou que quer fazer faculdade de engenharia da computação e seguir criando novas tecnologias.

Fonte: Terra