EUA autorizam pela 1ª vez pesquisa com células embrionárias humanas

Decisão acaba com restrições ao financiamento federal.

As autoridades médicas americanas autorizaram nesta quarta-feira (2) a utilização de 13 novas linhagens de células-tronco embrionárias humanas para a pesquisa pública - as primeiras disponibilizadas, como parte da nova política para as ciências do presidente Barack Obama, segundo um comunicado.

O presidente dos Estados Unidos suspendeu, no dia 9 de março deste ano, as restrições ao financiamento federal de pesquisas com células-tronco embrionárias, contrariando os que lutam contra o aborto, mas alimentando esperanças entre os que acreditam na possibilidade de tratamento para várias doenças. "Vamos retirar o veto ao financiamento de pesquisas com as promissoras células-tronco embrionárias", havia dito Obama em cerimônia na Casa Branca.

"Nós também vamos apoiar fortemente os cientistas envolvidos nessas pesquisas", afirmou. A decisão significou um repúdio claro à abordagem de seu predecessor, George W. Bush. As leis americanas limitam o uso de verbas federais para a produção de células-tronco humanas, mas Bush aumentou mais ainda as restrições sobre as pesquisas com essas células.

Os religiosos mais conservadores se opõem às pesquisas com células-tronco embrionárias porque elas envolvem a destruição de embriões, algo que consideram ser vida humana Cientistas, no entanto, dizem que tais pesquisas podem levar à cura de inúmeras doenças degenerativas. Normalmente, os embriões usados nas pesquisas são descartados em clínicas de fertilização. A ciência trabalha, também, com células-tronco de origem não-embrionária, mas ao menos por enquanto considera a dos embriões uma vertente mais promissora do trabalho.

Fonte: g1, www.g1.com.br