Facebook libera mais dados a usuários e ativistas acham pouco

Facebook libera mais dados a usuários e ativistas acham pouco

Ativistas acham pouco; segundo eles, ainda existem 84 categorias de dados pessoais que o site não disponibiliza

O Facebook está ampliando seu serviço Download Your Information, por onde o usuário pode baixar seu histórico de dados na rede social. A partir de agora, novas informações ficarão disponíveis aos usuários.

Dois anos atrás, quando o serviço foi lançado, usuários recebiam uma cópia de suas fotos, posts, mensagens, lista de amigos e chats. Na nova versão, vêm também antigos nomes de perfil, pedidos de amizade e endereços de IPs de todos os computadores por onde o usuário se logou. O Facebook garantiu que no futuro mais categorias de informação deverão ser liberadas.

Para baixar o arquivo, basta acessar ?configurações da conta? e clicar em ?baixe uma cópia dos seus dados do Facebook?.

A primeira versão do serviço foi alvo de críticas de legisladores e ativistas na Europa. Lá, 40 mil usuários solicitaram a totalidade dos seus dados armazenados pelo site. De acordo com leis de privacidade na Europa, a empresa tem um prazo de 40 dias para atender os pedidos.

Em dezembro passado, a comissão de proteção de dados da Irlanda conseguiu que o Facebook, que tem seu escritório internacional na capital do país, Dublin, fornecesse mais informações a seus usuários e mudasse suas práticas de proteção de dados.

Isso aconteceu graças à movimentação de uma ONG de estudantes austríacos chamada Europe vs Facebook. Ela surgiu quando o estudante de direito Max Schrems e dois colegas começaram a investigar como a rede social armazena e utiliza dados pessoais dos usuários. Descobriram que há mais de 50 tipos de dados coletados ? amizades feitas e desfeitas, status de relacionamentos, cutucadas e até mensagens apagadas.

A organização começou então uma cruzada para pedir ao Facebook um relatório com os dados armazenados. Receberam PDFs com até mil páginas de informações pessoais. Tudo está no site.

Schrems criticou a nova versão do histórico disponibilizado como insuficiente. ?Ficamos felizes que usuários do Facebook estão tendo acesso a mais dados, mas a empresa ainda não está alinhada com as leis de proteção de dados da Europa.? Ele observou também que ?Agora, o Facebook só oferece acesso a 39 categorias de dados. Ainda existem 84 outras categorias que não estão sendo disponibilizadas?.

Fonte: Estadão